Pular para o conteúdo principal

Desobedecer à história é essencial

Eduardo Galeano, escritor uruguaio, tem sido para mim nestes meus anos de exílio no recôncavo da Bahia uma paixão constante.
Quase sempre sozinho e com raros e pouquíssimos amigos, mergulho na literatura de Galeano e fico dia após dia mais próximo do modelo de humanidade desejada para meu coração “delinquente”.
Ao menos na literatura materializo minhas sinceras vocações, pouco a pouco vou deixando a “realidade”. Desobedeço a minha improvável história pessoal, mas cansei da “realidade” imposta, deixo apenas que ela vá acontecendo, não posso muito, talvez possa mais quando de mãos dadas com o Tempo à justiça for inventada neste país.
Em recente entrevista a revista Caros Amigos, Eduardo Galeano disse: “Romper com o velho hábito de obedecer à história, inventá-la. Ser capaz de imaginar o futuro e não simplesmente aceita-lo”.
Imaginar o futuro, inventar a história, desobedecer a modelos, criar com as próprias mãos o mundo que se deseja viver. Não são frases de efeito, são ideias de efeito recheadas de provocações e desafios.
Provocações ao que está aí reinado em totalitarismo querendo sempre nos fazer crer nas obviedades assassinas do que não for riso fácil e olhar pequeno sobre a vida, desafio a nós mesmos, nos chamar a luta interna contra uma artificial docilidade implantada em nós por uma cultura que tenta transformar tudo em produto de tão curta duração quanto à ilusão que há neste mundo liberdade e democracia.
Os cativeiros agora são mais poderosos, são invisíveis e passa a todos uma sensação de inclusão e de direito a voz, quando em verdade é cerceador voraz de direitos, pouco a pouco tentam aniquilar a capacidade intelectual ao servir frias ideias bisonhas sobre humanidade, cultura, educação e política ao nosso povo artificialmente apaixonado por tudo que for medíocre, sem sentido.
São os capitães do mato dos tempos de hoje, sem chicote, mas com controle remotos os quais nos dão ideia de liberdade, mas controlam quase todas as estações da vida.
Ao final da sua entrevista a revista Caros amigos Eduardo Galeano diz: “Cada pessoa é, de alguma maneira, muito mais do que sabe que é. Nós temos um arco-íris terrestre para recuperar que é de uma cor e uma alegria impressionante. É uma tarefa a fazer porque esses arco-íris terrestres são muito mais lindos, muito mais belos”.
Então assim seja, vamos re-escrever cada um sua própria história com sua própria paixão e lirismo sincero... Há o Tempo, Deus lindo a nos proteger diante a tragédia de alguns corações humanos que adoram se alimentarem do nosso “suor sagrado” *.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
*Renata Russo

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…