Dia dos enamorados

Sei que às vezes a vida dói. Tudo parece sempre errado, segue nosso tempinho de estarmos por aqui sem variações. Sei que às vezes é difícil em Deus confiar.
Tudo parece sempre despedida, mas não desista, se o seu Deus não estiver com você troque de Deus, se a esperança não nasce no teu dia, procure no distante das dores outras esperanças.
Se teu amor não ri contigo, acredite em algum lugar nesta terra maravilhosa há alguém a ti esperar, não nascemos para a solidão. Os pares por amor podem ser formados de muitas maneiras, sexos e desejos. Não desista... Ser feliz é bom, ser feliz em comunhão é o êxtase da vida.
Nas estrelas, no sorriso calmo de uma frágil criança há verdades não reveladas que esperam por nós. Eu sei que às vezes vem o desejo de não vida, um abismo parece estar a nos sugar, mas mantenha no horizonte das horas tua paz de espírito.
O dia já nasce em madrugadas nas quais a vida parece não desejar sair, então tenha calma, não deixe que a noite escura do tempo te aprisione no vale das tempestades infinitamente tristes.
Eu sei, há o medo! Mas é preciso fazer das verdades definitivas amores definitivos, enquanto amor existir.
Nosso país às vezes nos assusta, me dê sua mão... Eu amo tanto estar contigo! Desejo a vida na alegria da chuva, na beleza do amor que sei um dia vai nos trazer paz.
Sei que às vezes tudo é dor sobre dor, então vai enfrente, não desista, teu coração é santo como são santos os pardais livres da Praça da Purificação... Eu amo estar em teu coração, olhar você dormindo...
Meu amor é existir em tua vida, tenho medo também, mas ir enfrente é o que nos leva o tempo à espera da alegria em vida por paz.
Sincero é o meu estar contigo... Deixa-me estar feliz nos teus braços que podem ser meu ninho de afeição e ternura, levo para tua vida minha alegria sincera de contigo ser único dentro da beleza que é viver e existir em ti. Guardo em meu coração mil alegrias todas para tua festa de amor e paz.
Quero contigo envelhecer, morrer nos teus braços, fazer festa para o amor que a eternidade guardará nas harmonias das emoções tranquilas. Desejo para nós a paz do outono, o calor dos corpos que no inverno são mais amantes.
De nada adianta temer a morte, o tempo não sabe se nossas histórias são tristes ou alegres, o tempo é só o tempo e sua função e existir no fim das coisas, o tempo é cúmplice da morte. Então vamos de mãos dadas em caminhos paralelos à felicidade das nossas vidas.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys