Pular para o conteúdo principal

Rumo ao B612

Certa vez Bob Marley disse “vocês riem de mim por eu ser diferente e eu rio de vocês por vocês serem iguais”. Meu primeiro emprego como professor foi lecionar literatura e redação em um cursinho chamado Ipsis litteris. Lembro ao chegar à sala só havia um aluno, o Miguel, hoje meu amigo e concluinte do curso de engenharia de pesca ou marinha.
Miguel era um menino muito esperto e curioso, como só havia ele na sala, decidi então: iríamos fazer uma viagem até o B612, planeta do Pequeno Príncipe, a viagem foi prazerosa e até hoje o Miguel fala daquele dia, daquela aula. Olha... Já faz muitos anos.
Com o passar do tempo à turma foi aumentando, eram garotas e garotos bem jovens, fomos juntos pela vida e obra de inúmeros escritores.
Certo dia estava lá na sala quando chegou o pai de uma aluna dizendo que queria conhecer o professor de literatura, segundo ele as aulas de literatura estavam “pirando” sua filha, “agora ela estava cheia de viagem”.
Ele falou esse monte de bobagens para mim sem saber que eu era o professor, em momento algum desconfiou, quando me apresentei como tal, levou um susto, notei o quanto não aprovava um professor que não seguia o padrão, o estabelecido pela norma número bobo das conveniências dos tolos.
A resposta de Bob Marley aos que riram dele por achá-lo diferente é maravilhosa. Não seguir a receita, não usar os ingredientes fáceis para ser digerido com alegria pela estupidez de tantas pessoas para mim é assertiva sem margens a questionamentos.
O pai da aluna não notou o quanto sua filha estava encantada com a literatura, que o ensino leve e aparentemente descompromissado facilitava esse encantamento. A literatura para mim é a única forma de expressão artística verdadeiramente universal, nascemos para mundo com a palavra, só existimos quando temos consciência no usar a palavra como maneira de marcar nossa individualidade e coletividade.
Quando nos permitimos a padronização abrimos mão do verbo, do ser ação, nos tornamos adjetivos primitivos na sociedade a qual desenharam para nós, sociedade feita em aquarela de cores e sabores duvidosos.
Bob Marley sabia como era complicado ser diferente no universo da música POP, o cenário cultural sempre foi terrivelmente manipulado, os artistas de “sucesso” geralmente são os ícones criados pela indústria.
Em minha curta jornada no magistério, em grau infinitamente menor, senti o que Bob sentiu, mas como ele nunca perdi a oportunidade de ri das tristes figuras desse baile de mascaras iguais.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…