Pular para o conteúdo principal

Toma que a batata é tua

Errar? Você ta maluco? Quem erra demonstra duas coisas: incompetência e fragilidade. Não sou eu quem pensa assim, mas isso é o senso comum a permear e nortear relações cotidianas.
Outro dia Bill Gates durante uma palestra para estudantes disse: “faça certo da primeira vez”. Disse isso porque segundo ele a vida “real” não vai dar duas chances para que seja corrigida uma questão errada.
Bill Gates está “certo”. Somos educados através de modelos de pessoas infalíveis, super-heróis e seus fantásticos poderes. Só nos esquecem de dizer que o Super-Homem tem a Kriptonita para de vez em quando se lembrar o quanto dentro do seu peito de aço bate um coração humanamente frágil de Clark Kent.
O modelo de infalíveis criaturas imposto pela predadora mais-valia (usura) das corporações sempre teve e tem por finalidade nos transformar em robôs, modismos de nós mesmos, sanguessugas da nossa capacidade de amar e sentir. Por isso mesmo quem errar da primeira vez tem grave oportunidade de não ter outra chance para tentar acertar, um erro, um expurgo definitivo.
Há alguns anos um jovem engenheiro da poderosa IBM estava envolvido em um projeto, já havia gasto dez milhões de dólares e não conseguia terminá-lo, foi quando um dos acionistas da empresa chamou a diretoria, interpelou o porquê não demitir o “incompetente” engenheiro. Um dos diretores respondeu que não poderia fazer isso, a empresa já havia investido nas pesquisas do tal engenheiro dez milhões de dólares. Essa história é uma exceção, na maioria das vezes os chefes estão mais para Tiranossauro Rex que para estrategistas de longo prazo ou dispostos a assumir riscos.
O ruim disso tudo é que a ideia pensada à distância, sobre as teclas frias do computador por um gênio do mercado ganha praticidade em nossas rotinas. Observe em seu círculo de amigos se não há por vezes exagerada reverência aos mais bem sucedidos e certo distanciamento ao sujeito batalhador, boa praça, mas que tem um defeito: vender morangos no mercado.
Vender morangos no mercado é entendido como algo menor, gente que errou, errou e não conseguiu avançar na “escala” social. Não há princesas e nem príncipes encantados vivendo em barracos, há de se desejar castelos mesmo que sejam na areia. É assim que os vencedores de si mesmos tramam a vida, aliás, lembrei de uma deliciosa frase do John Lennon “A vida é o que acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos”. E olhe que o Lennon pousava de inimigo do capital.
Não me preocupa meus erros, isso porque tenho por eles a dimensão humana de suas consequência em minha vida e nas pessoas envolvidas em minhas ações e não a dimensão da supostamente lógica imposta pelo capital, me preocupa deixar de fazer planos ou por algum motivo deixar de executá-los.
Gasto muita grana mandando livros para editores e editoras. O quase não mais jovem Ediney com sua mala cheia de palavra, canções e sonhos, vejam só, é viciado em postagens nos correios. Minha mãe diz que eu deveria gastar menos com os correios, creio que não, para mim só errei de editor, da próxima vez acerto.
http://ediney-santana.zip.net/
edineysantana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…