Pular para o conteúdo principal

Deixe ir

Em algum lugar na Bíblia li certa vez a história de um apóstolo a lamentar-se com Cristo sobre algumas pessoas que os abandonaram. Cristo o repreendeu dizendo “se não estão aqui é porque não são parte de nós”.
Cristo estava certo, não se deve lamentar as ausências voluntárias. Interessa quem está presente em nossas vidas por vontade própria. Conheço pessoas que preferem andar mal acompanhadas que sós. Gente que sente pavor em pensar em um fim de semana sozinho, outras que vivem o precioso tempo da vida a lamentar por quem juntou os trapos, histórias e partiu.
No fim do verão acabamos por descobrir que o ir e vir de pessoas em nossas vidas é tão intenso que nos prender em saudades exclusivas por um ex-coração amigo, amante ou colega não passa de bobagem. Oswaldo Montenegro em sua canção “A lista” nos provoca ao exercício de recuarmos dez anos em nossas lembranças e colocarmos em um papel o nome de pessoas as quais jurávamos imprescindíveis em nossas vidas. Você lembra-se de todas as pessoas imprescindíveis de sua vida?
Ninguém é imprescindível, os imprescindíveis do mundo jazem no mesmo vácuo das comuns corações esquecidos em cemitérios ou porta retratos comidos pelas traças. Não sobrevivemos a nossa condição de parte do gênero humano quanto mais termos nossas vidas imprescindíveis eternamente na vida de alguém.
Imprescindível é quem está conosco no exato momento o qual vivemos nossas alegrias, angustias, vitórias, perdas, medos e esperanças.
A ideia de fidelidade, de monogamia ou monoteísmo são signos culturais idealizados por anos de construções políticas, a sociedade é construção política não uma “dádiva” da natureza forjada na evolução biológica da espécie humana a seguir sempre a mesma lógica, ainda bem quem não é assim. Por isso mesmo estamos sempre em transição diante todas nossas posturas sociais, políticas e culturais, nada é determinismo, tudo é tesão, masturbação, gozo e defloração de novos conceitos.
Essa postura transitória coloca em xeque estruturas poderosas de poder e dominação do homem para a mulher, da mulher para o homem, do senhor com o seu servo, do servo para com seu senhor, de todos nós com os que determinaram a nossa revelia o que era sagrado ou não e por isso não questionável.
Nascemos para a grande festa das despedidas, do amor com prazo de validade, da hora marcada com a morte, com o coração sempre aberto ao grande primeiro amor a chegar bem devagarzinho e nos tomar o coração, não há verdades.
O mundo foi feito sobre o império das “mentiras” (se o mundo fosse verdades imutáveis estaríamos ainda andando de quatro), acreditamos em coisas improváveis por uma questão de sobrevivência temporária. Não adianta lamentar, não lamentemos as coisas perdidas. Eu não reclamo por quem se foi, mas faço festa a quem nos braços me diz e faz amor leve.
Ps- Escrito ao som de Francisco Aaffa.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…