Pular para o conteúdo principal

Deixe ir

Em algum lugar na Bíblia li certa vez a história de um apóstolo a lamentar-se com Cristo sobre algumas pessoas que os abandonaram. Cristo o repreendeu dizendo “se não estão aqui é porque não são parte de nós”.
Cristo estava certo, não se deve lamentar as ausências voluntárias. Interessa quem está presente em nossas vidas por vontade própria. Conheço pessoas que preferem andar mal acompanhadas que sós. Gente que sente pavor em pensar em um fim de semana sozinho, outras que vivem o precioso tempo da vida a lamentar por quem juntou os trapos, histórias e partiu.
No fim do verão acabamos por descobrir que o ir e vir de pessoas em nossas vidas é tão intenso que nos prender em saudades exclusivas por um ex-coração amigo, amante ou colega não passa de bobagem. Oswaldo Montenegro em sua canção “A lista” nos provoca ao exercício de recuarmos dez anos em nossas lembranças e colocarmos em um papel o nome de pessoas as quais jurávamos imprescindíveis em nossas vidas. Você lembra-se de todas as pessoas imprescindíveis de sua vida?
Ninguém é imprescindível, os imprescindíveis do mundo jazem no mesmo vácuo das comuns corações esquecidos em cemitérios ou porta retratos comidos pelas traças. Não sobrevivemos a nossa condição de parte do gênero humano quanto mais termos nossas vidas imprescindíveis eternamente na vida de alguém.
Imprescindível é quem está conosco no exato momento o qual vivemos nossas alegrias, angustias, vitórias, perdas, medos e esperanças.
A ideia de fidelidade, de monogamia ou monoteísmo são signos culturais idealizados por anos de construções políticas, a sociedade é construção política não uma “dádiva” da natureza forjada na evolução biológica da espécie humana a seguir sempre a mesma lógica, ainda bem quem não é assim. Por isso mesmo estamos sempre em transição diante todas nossas posturas sociais, políticas e culturais, nada é determinismo, tudo é tesão, masturbação, gozo e defloração de novos conceitos.
Essa postura transitória coloca em xeque estruturas poderosas de poder e dominação do homem para a mulher, da mulher para o homem, do senhor com o seu servo, do servo para com seu senhor, de todos nós com os que determinaram a nossa revelia o que era sagrado ou não e por isso não questionável.
Nascemos para a grande festa das despedidas, do amor com prazo de validade, da hora marcada com a morte, com o coração sempre aberto ao grande primeiro amor a chegar bem devagarzinho e nos tomar o coração, não há verdades.
O mundo foi feito sobre o império das “mentiras” (se o mundo fosse verdades imutáveis estaríamos ainda andando de quatro), acreditamos em coisas improváveis por uma questão de sobrevivência temporária. Não adianta lamentar, não lamentemos as coisas perdidas. Eu não reclamo por quem se foi, mas faço festa a quem nos braços me diz e faz amor leve.
Ps- Escrito ao som de Francisco Aaffa.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…