Pular para o conteúdo principal

Masturbação social

Liguei a TV agora pela manhã e vi um jogador de futebol dizendo que seu sonho era jogar em um grande time para comprar uma casa para sua mãe, que já sofrera muito, mas Deus iria ajudá-lo a conquistar seu sonho. Também desejo que ele conquiste seus sonhos e compre uma casa para sua mãe, mas pobreza não faz Gol e nem histórias tristes vão comover a bola, é preciso entre tudo isso e acima disso tudo talento.
Não raro ao ligarmos a TV assistimos gente chorando desesperadamente se dizendo cantor e que merece uma chance, ou uma criança a qual os repórteres juram “vai ser um novo Pelé” tudo isso é bonito, mas não real. Comoções passam, o talento fica.
Não vou comprar um livro pela história de vida do seu autor, claro que histórias de superação são dignas de respeito, mas não são suficientes para transformar um cantor de churrascaria desafinado em um Fabio Golfeti
Pessoas pobres e geniais as quais tiverem uma vida difícil, sofreram, comeram o pão que nem o diabo quis não tiveram sucesso pelas suas histórias tristes, foram e é sucesso pela capacidade e talento artístico para aquilo que se determinaram a fazer, determinação e superação sem chantagem emocional.
Lula jamais seria presidente da república tão somente por ter chegado a São Paulo de Pau de Arara, se assim o fosse todos os outros políticos que tiveram histórias de vidas parecidas com a sua seriam presidentes.
O talento não tem classe social, Luiz Gonzaga nasceu em meio mato em Pernambuco e é um dos poucos gênios da musica brasileira, Caetano Veloso? Seu pai era um simples trabalhador dos Correios e sua mãe uma dona de casa comum, Gal Costa trabalhava em uma loja de disco em Salvador, Belchior era professor. Não foram de famílias milionárias, ninguém usou a própria história de vida para comover platéias, foram talentosos e alguns até com lampejos de genialidade.
Se alguém comprar um livro seu porque você é negro, ou vive nas ruas, ou é doente terminal, ou nasceu em pobreza objeta não está contribuindo em nada para sua arte, para o seu amadurecimento e crescimento pessoal e artístico. A fama qualquer um pode ter seus quinze minutos como preconizou Andy Warhol, mas sucesso é outra história.
Pintar um quadro há quatrocentos anos e que até hoje vale milhões de reais ou como João Ricardo compor dez ou onze canções e lança-las em um disco com o nome “Secos e Molhados” , na década de 1970, e até hoje ainda esse disco está em catálogo, publicar um livro “O Manifesto do Partido Comunista”, como fez Max e Engels e esse livro todos os anos varias universidades do mundo inteiro celebram seu aniversário de publicação, ou compor “Asa Branca” canção de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira e vê-la transformada em lenda? ... Tudo isso não é avaliado por histórias de vida e sim por talento.
Vidas determinadas a vencer, vidas de lutas e sofrimento, mas nunca vidas chantagistas emocionais. Gosto de ler biografias, me comove saber como aquelas pessoas as quais tanto gosto batalharam, deram duro para vencer, mas me comove mais ainda saber o quanto essas pessoas nunca colocaram seus dramas pessoais à frente dos seus talentos.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana.bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…