Pular para o conteúdo principal

“O amor era para ela exercício heróico”

Ítalo Calvino em seu mágico romance “O Barão nas árvores” nos conta a fantástica história de Cosme Chuvasco de Rondó que ainda criança decidira viver em árvores e delas nem morto desceu.
Cosme é um personagem maravilhoso porque decidiu encarar a vida e vive-la de maneira não ortodoxa e nem um pouco previsível.
De cima das árvores Cosme inventou coisas, ajudou pessoas, amou e sofreu por amor e quando pressentiu a morte atirou-se ao mar agarrado a um balão e desapareceu para sempre nas águas.
Gosto do livro de Ítalo Calvino porque ele nele o improvável pode existir enquanto em momento algum o tédio ou a rotina de uma vida insossa encontra espaço para acontecer. Muita gente se afoga em um mar de previsibilidade e mesmo quando parecem fugir a rota em verdade apenas cumpre um papel o qual muitas das vezes interpreta com o talento de um ator de quinta categoria.
Não viver papéis pré-estabelecidos, galvanizados na mediocridade ou pela indução dos modismos fabricados sobre encomendas para padronizar e matar personalidades nos dias de hoje é tarefa para quem tem mais que sangue nas veias.
Cosme Rondó era herdeiro de um importante Barão, mas isso não lhe impediu de fazer de si o que deseja, o que ele usou para ser e viver como bem quis pode ser resumido em um apalavra rara e pouco utilizada nos dias mofentos os quais estamos vivendo: atitude!
Não que falte pessoas com atitude, nada disso, o problema é que o jogo das conveniências está em primeiro plano e muita gente se anula para conseguir os restos de um banquete para o qual não foi convidado.
Viver nas árvores, quebrar padrões e ter coragem para dar e tomar pé na bunda ou cusparada na cara, personalidades livres e sinceras estão perdendo terreno para a mediocridade de se ser o que o outro quer e não o que realmente se é.
Em “Teoria do Medalhão” maravilhoso conto de Machado de Assis, o pai ensina o filho a ser um “figurão” e o caminho é simples: mediocridade, mediocridade. O romance de Calvino é antítese do conto de Machado, em Teoria do Medalhão Machado ridiculariza a sede da sociedade pelo status, no romance de Ítalo é possível fugir dessa mediocridade toda.
Cosme Rondó passou a viver nas árvores, mas não obrigou ninguém a subir com ele... E isso é algo de bom, mas nesses dias de trovoados no qual a mediocridade está em alta busco minhas árvores em meio aos galhos podres.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br




Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…