Pular para o conteúdo principal

“Uma mulher abraça um guerreiro”

Fui ao teatro Dona Canô, em Santo Amaro, assistir a peça “Uma mulher abraça um guerreiro, livre adaptação cênica do livro bíblico “Cânticos dos Cânticos” de autoria atribuída ao rei Salomão que teria vivido em Israel 950 a.C.
A peça é de autoria da atriz e bailarina Ana Maria Agazzi, que além de ter criado o espetáculo também o encena. No palco não há cenário, iluminação especial ou música, no palco há tão somente uma vela e a atriz que nos oferecer uma dramática e emocionante leitura do texto bíblico.
São poucas as falas, a interpretação do texto é realizada pela dança e pelo drama que é infligido ao corpo, podemos dizer que é o corpo o grande texto em cena.
Para assistir ao espetáculo foram convidados alunos, adolescentes, de escolas públicas e particulares. Logo no foyer do teatro comentei com minha amiga Magali que seria bom ter pessoas tão jovens assistindo um espetáculo o qual não reproduzia o já gasto repertório de comédias da dramaturgia brasileira, Magali me advertiu que as coisas não seriam tão fáceis assim.
Dito e feito, durante o espetáculo o que se viu foram risos, aplausos sem razão, o que era drama foi entendido como comédia. Desabei em tristeza e vergonha.
A ignorância dos alunos não era por serem eles jovens demais, a ignorância ali refletia o nível da educação a qual todos eram vitimas, vitimas de uma escola não formadora, mas deformadora, a escola aliada à prática sistêmica e governamental de idiotizarão em massa das pessoas.
Longe, muito longe de uma escola capaz de instrumentalizar seus alunos com a capacidade de interagir com o meio ou circunstância as quais são submetidos e nelas fazerem ponderações e interferências sem o riso constrangedor de não saber para o que ou de quem se ri.
Ao final do espetáculo fui com Magali ao camarim da atriz e a encontramos sozinha no escuro, estávamos envergonhados não pelos alunos, mas pela constatação que a educação pública ou não do país está falida.
A educação de modo geral no Brasil é baseada na valorização máxima da informação, mas se despreza quase que totalmente o conhecimento, que é a capacidade de alguém de processar de maneira ordenada suas informações, mas veio a surpresa:
“O espetáculo é de formação de platéia, é para ir ao embate mesmo, algo tenho certeza que vai ficar”. Falou a Ana Maria, disse ainda o quanto achava tudo bom, sabia das dificuldades de se apresentar um espetáculo como aquele para um público não acostumado em variações cultuais.
Achei a Ana Maria bastante corajosa e decidida a carregar uma cruz por demais pesada: enfrentar um público segmentado as comédias, aos risos fáceis do teatro brasileiro. Já fazia mais de um ano que não ia ao teatro, já não suportava mais humor chato, burro e na Bahia o teatro vai quase sem variação nesta triste encenação do mesmo.
Seja como for, a peça “Uma mulher abraça um guerreiro” é fascinante, forte e com leves toques de sensualidade e desespero, tudo temperado por um amor vibrante, amor que desafiou o divino ao se entregar ao prazer da carne, amor curtido nas delícias de dois corpos desejosos de se canibalizarem.
Se um dia você tiver oportunidade assista a Ana Maria Agazzi no palco, se permita ao comovente talento de uma atriz vibrante, solitária e corajosa, de voz forte e gestos marcantes. Sair do teatro contente por ter realmente assistido algo. O site da Ana é http://agazzianamaria.com/
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…