Pular para o conteúdo principal

“Uma mulher abraça um guerreiro”

Fui ao teatro Dona Canô, em Santo Amaro, assistir a peça “Uma mulher abraça um guerreiro, livre adaptação cênica do livro bíblico “Cânticos dos Cânticos” de autoria atribuída ao rei Salomão que teria vivido em Israel 950 a.C.
A peça é de autoria da atriz e bailarina Ana Maria Agazzi, que além de ter criado o espetáculo também o encena. No palco não há cenário, iluminação especial ou música, no palco há tão somente uma vela e a atriz que nos oferecer uma dramática e emocionante leitura do texto bíblico.
São poucas as falas, a interpretação do texto é realizada pela dança e pelo drama que é infligido ao corpo, podemos dizer que é o corpo o grande texto em cena.
Para assistir ao espetáculo foram convidados alunos, adolescentes, de escolas públicas e particulares. Logo no foyer do teatro comentei com minha amiga Magali que seria bom ter pessoas tão jovens assistindo um espetáculo o qual não reproduzia o já gasto repertório de comédias da dramaturgia brasileira, Magali me advertiu que as coisas não seriam tão fáceis assim.
Dito e feito, durante o espetáculo o que se viu foram risos, aplausos sem razão, o que era drama foi entendido como comédia. Desabei em tristeza e vergonha.
A ignorância dos alunos não era por serem eles jovens demais, a ignorância ali refletia o nível da educação a qual todos eram vitimas, vitimas de uma escola não formadora, mas deformadora, a escola aliada à prática sistêmica e governamental de idiotizarão em massa das pessoas.
Longe, muito longe de uma escola capaz de instrumentalizar seus alunos com a capacidade de interagir com o meio ou circunstância as quais são submetidos e nelas fazerem ponderações e interferências sem o riso constrangedor de não saber para o que ou de quem se ri.
Ao final do espetáculo fui com Magali ao camarim da atriz e a encontramos sozinha no escuro, estávamos envergonhados não pelos alunos, mas pela constatação que a educação pública ou não do país está falida.
A educação de modo geral no Brasil é baseada na valorização máxima da informação, mas se despreza quase que totalmente o conhecimento, que é a capacidade de alguém de processar de maneira ordenada suas informações, mas veio a surpresa:
“O espetáculo é de formação de platéia, é para ir ao embate mesmo, algo tenho certeza que vai ficar”. Falou a Ana Maria, disse ainda o quanto achava tudo bom, sabia das dificuldades de se apresentar um espetáculo como aquele para um público não acostumado em variações cultuais.
Achei a Ana Maria bastante corajosa e decidida a carregar uma cruz por demais pesada: enfrentar um público segmentado as comédias, aos risos fáceis do teatro brasileiro. Já fazia mais de um ano que não ia ao teatro, já não suportava mais humor chato, burro e na Bahia o teatro vai quase sem variação nesta triste encenação do mesmo.
Seja como for, a peça “Uma mulher abraça um guerreiro” é fascinante, forte e com leves toques de sensualidade e desespero, tudo temperado por um amor vibrante, amor que desafiou o divino ao se entregar ao prazer da carne, amor curtido nas delícias de dois corpos desejosos de se canibalizarem.
Se um dia você tiver oportunidade assista a Ana Maria Agazzi no palco, se permita ao comovente talento de uma atriz vibrante, solitária e corajosa, de voz forte e gestos marcantes. Sair do teatro contente por ter realmente assistido algo. O site da Ana é http://agazzianamaria.com/
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…