Pular para o conteúdo principal

Cambitos

Hoje acordei às 04:00h da manhã e me embreei em um bambuzal. Não, não fui fazer turismo ecológico, nem procurar o Saci Pererê, estava acompanhando os diretores do Sindicato Rural de Santo Amaro-Ba em uma assembleia junto aos cortadores e carregadores de bambus.
Desde julho trabalho como auxiliar na secretária de assalariados do Sindicato, responsável por negociar o salário dos trabalhadores (as) rurais junto a empresas ou fazendeiros.
O trabalho no bambuzal é por demais penoso e embora todos os direitos dos trabalhadores estejam assegurados na forma da lei, as condições de trabalho são horrorosas, beirando uma espécie de velada escravidão consentida pela mesma lei que os ampara.
Saímos de uma estrada asfaltada, perto da cidade de São Francisco do Conde, entramos em um caminho de chão batido que se alguém vacilar, e não é exagero, pode morrer afogado na lama, é as margens desse caminho que homens e animais trabalham das 04:00h da manhã às 17:00h praticamente sem descanso por um salário mínimo mais algumas gratificações por produção.
O chamado Brasil oficial certamente ignora o país o qual aqueles homens vivem, o Brasil oficial é o das teorias mirabolantes, das ideias sem praticidade, das inteligências medianas no comando, dos “pensadores” de si mesmos, dos que nas taras por seus escombros humanos negam a sua própria condição de gente e vive nas verminações de ser coisa.
O país daqueles homens é subordinado às corporações industriais que utilizam o bambu para fabricar papel e papelão ou como combustível para caldeiras, essas corporações não entendem de gente, entendem de lucro e os trabalhadores para eles são peças que podem ser trocadas assim que apresentarem “defeitos”.
Há alguns anos trabalhei para o mesmo sindicato rural como professor alfabetizador de cortadores de cana, os tristemente famosos “bóias- frias”. Ao chegar para o meu primeiro dia de aula tive um misto de escândalo emocional e tristeza. Escândalo porque não imaginava encontrar pessoas em condições tão desumanas intelectualmente, socialmente e tudo amarrado a um trabalho que sem vergonha alguma se mostrava escravo.
Às vezes não imaginamos o caminho torpe que um grão de açúcar ou uma folha de papel ofício faz até chegar em nossas casas e serem usados despretensiosamente. Da matéria prima extraída nas lavouras de cana ou de bambu até as usinas e fábricas há uma longa história de preconceitos, medo, analfabetismo, exploração, escravidão e tudo protagonizada inegavelmente por um sombrio personagem chamado Brasil.
* Cambitos é como são chamados os homens que transportam em seus burrinhos o bambu cortado.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…