Por que somos terceiro mundo?

Somos terceiro mundo porque ouvimos Beatles e mesmo na maioria das vezes sem entendermos uma só palavra em inglês juramos que o John é um gênio e o Paul um idiota. Somos terceiro mundo quando acreditamos que o ensino público é ruim tão somente porque os professores não recebem bons salários, quando encontramos um amigo em companhia de alguém e simplesmente ignoramos esse alguém.
Somos terceiro mundo quando discutimos células troncos enquanto a maioria da população não consegue fazer um simples exame de fezes, quando somos condescendentes com a ignorância e tolerantes com o banditismo de Estado, quando achamos natural a impunidade.
Somos terceiro mundo quando queremos salvar a Amazônia enquanto mendigos são queimados vivos pelo país a fora.
Somos terceiro mundo quando ficamos indignados com um ator estrangeiro de filme B ao afirmar que pode explodir o país inteiro e ainda lhe daríamos um macaco de presente, mas como estúpidos fazemos filas para assistir sua grande obra cinematográfica.
Somos terceiro mundo quando nos permitimos à passividade diante de crimes hediondos ou caímos como tolos nas redes panfletarias da mídia e gritamos: Pena de morte aos culpados!!!
Somos terceiro mundo quando fazemos amizade só com quem massageia nosso ego, com quem nos entende sempre, quando vamos para cama com alguém pensando em tirar proveito que não é necessariamente uma gozada bem gostosa , quando transformamos nossos corações em cartões de créditos, conseguir um emprego não pelo talento, mas pela estética de pernas abertas para o mundo.
Somo terceiro quando criamos leis para assegurar o cumprimento de leis que já existem,quando dizemos que a língua portuguesa é uma língua periférica ou inculta e bela, ou quando afirmarmos do alto da nossa ignorância: “ninguém sabe falar português direito”.
Somos terceiro mundo quando dizemos que não somos preconceituosos, mas sonhamos com um par “bem” sucedido para nossos filhos, quando nosso filho diz: “Pai sou gay” o pai responde “ não é mais meu filhos”.
Somos terceiro mundo quando fazemos piadas com as nossas desgraças, quando somos indeferistes as misérias alheias, como se existem misérias alheias.
Somos terceiro mundo quando fazemos sexo pelo MSN enquanto há tantas pessoas ou corpos interessantes por aí.
Somos terceiro mundo quando acreditamos que os fins justificam os meios, quando acreditamos que somos fruto do meio.
Somos terceiro mundo quando aceitamos passivamente uma vida bijuteria, somos terceiro mundo quando entregamos a Deus nosso destino, somos terceiro mundo quando nos entregamos a heróis os quis do nosso sangue faz adubo para suas individualistas colheitas.
Somos terceiro mundo quando amamos ao próximo mais que a nós mesmos, quando preferimos o cheiro das flores ao cheiro nosso, quando trocamos o dengo de um coração sincero pela pressa de se estar em evidência entre gente triste e careta.
Somos terceiro mundo quando acumulamos riquezas em detrimento à miséria de milhões, quando perdemos a emoção do toque, do beijo e percorremos alegremente o caminho da masturbação de ir para cama com o acaso encontrado em qualquer esquina.
Somos terceiro mundo quando desejamos alguém não pela alegria de se estar junto, mas pelo prazer sórdido da dominação,quando nos tornamos fies seguidores de gente nuvem, gente irreal a fazer ninho em nossos corações.
Somos terceiro mundo quando acreditamos que ser terceiro mundo é uma questão puramente econômica ou de se ter ou não um carro do ano na garagem, somos terceiro mundo quando nossas universidades estão mais para guetos intelectualoides, ou meras fabriquetas de ideias não práticas, ideias não reais que não pulam os murros dessas instituições, mas são financiadas pelo nosso sangue terceiro-mundista.
Somos terceiro mundo quando chamamos algumas pessoas de “Doutor” quando deveríamos chamá-las de bandidos, somos terceiro mundo quando questionamos um jogador de futebol por ter matado sua namorada, mas não questionamos o estado que foi acionado inúmeras vezes pela vítima e não fez nada para protegê-la, estado machista e polícia covarde.
Somos terceiro mudo quando chamamos alguém honesto de utópico, de sonhador, de viver fora da realidade. Podemos deixar de sermos corações terceiro mundo “*quando um poder novo nas almas derramar os místicos luares, então seremos povo!”, por enquanto somos apenas corações terceiro mundo.
* Cruz e Souza
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys