Pular para o conteúdo principal

Os sertões do litoral

Quando criança sentia vergonha de dizer o nome da minha cidade natal: Mundo Novo. Sentia vergonha porque no recôncavo da Bahia o sertão e sua gente eram vistos como miseráveis, sujos, retirantes analfabetos.
Não sabia o povo do litoral que mesmo se fossemos analfabetos e miseráveis ou retirantes no fundo éramos produtos de um país excludente e politicamente pervertido o qual eles também eram vítimas e não sabiam.
As suas misérias eram melhores maquiadas com os títulos de seus barões estupradores de duas culturas inteirinhas: a africana e indígena.
Lembro quando morávamos em um prédio onde vivia só gente sertaneja, ouvia frases ditas pelas pessoas que passavam em sua frente como: “é uma favela” “povo ignorante”. Como criança não sabia exatamente o significado disso, mas sabia o quanto de ódio estava ali.
Em mim a vergonha acabou quando anos mais tarde ouvi Ariano Suassuna falando mais ou menos o seguinte: o povo do litoral do nordeste sente vergonha do povo do agreste, e por isso deseja ser igual ao povo do sul, o povo do sul sente vergonha do nordeste inteiro e do Brasil que não seja o deles, por isso querem ser europeus ou norte-americanos e todos são vítimas de preconceito.
Para o restante do país o nordestino é nordestino não importando se do litoral ou não, o preconceito é o mesmo. Em São Paulo há mais de quatro milhões de nordestinos, mas o povo celebrado por lá são italianos, portugueses e japoneses. O nordestino é sempre retratado de forma caricata ou como intruso.
O sujeito cruza o continente americano todo para ir trabalhar como entregador de pizza, taxista ou descarregar caminhão em Nova York, da entrevista sorridente e diz que é feliz por poder andar com cordão de ouro pelas ruas e não ser assaltado, em Nova York somos todos nordestinos.
O brasileiro é nordestino, o Brasil é nordestino, os primeiros brasileiros nasceram aqui e se espalharam pelo país, o nordestino é uma espécie de palestino perseguido, morto e humilhado em seu próprio país.
Eu nunca sair da Bahia, em verdade só conheço as cidades da região metropolitana de Salvador, parte do recôncavo e Mundo Novo, confesso: não conheço o mundo e posso errar por confiar em informações não checadas ou experiências não vividas por mim.
Os povos latinos sempre buscaram uma unidade, o Brasil sempre ficou distante disso, temos diferenças internas marcantes que são acentuadas por toda sorte de preconceitos e se há uma unidade federativa temos uma nítida separação cultural e linguística.
Tenho certeza tudo isso em algum lugar no futuro vai levar a uma separação federativa o que será uma pena, já que nossa beleza vem da nossa diversidade a qual também só permanecerá bela se cada lugar continuar encantado consigo sem querer tornar feio o Mundo Novo de ninguém.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
Ps- A foto que ilustra esse artigo é de Mundo Novo-Ba

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…