Pular para o conteúdo principal

Os sertões do litoral

Quando criança sentia vergonha de dizer o nome da minha cidade natal: Mundo Novo. Sentia vergonha porque no recôncavo da Bahia o sertão e sua gente eram vistos como miseráveis, sujos, retirantes analfabetos.
Não sabia o povo do litoral que mesmo se fossemos analfabetos e miseráveis ou retirantes no fundo éramos produtos de um país excludente e politicamente pervertido o qual eles também eram vítimas e não sabiam.
As suas misérias eram melhores maquiadas com os títulos de seus barões estupradores de duas culturas inteirinhas: a africana e indígena.
Lembro quando morávamos em um prédio onde vivia só gente sertaneja, ouvia frases ditas pelas pessoas que passavam em sua frente como: “é uma favela” “povo ignorante”. Como criança não sabia exatamente o significado disso, mas sabia o quanto de ódio estava ali.
Em mim a vergonha acabou quando anos mais tarde ouvi Ariano Suassuna falando mais ou menos o seguinte: o povo do litoral do nordeste sente vergonha do povo do agreste, e por isso deseja ser igual ao povo do sul, o povo do sul sente vergonha do nordeste inteiro e do Brasil que não seja o deles, por isso querem ser europeus ou norte-americanos e todos são vítimas de preconceito.
Para o restante do país o nordestino é nordestino não importando se do litoral ou não, o preconceito é o mesmo. Em São Paulo há mais de quatro milhões de nordestinos, mas o povo celebrado por lá são italianos, portugueses e japoneses. O nordestino é sempre retratado de forma caricata ou como intruso.
O sujeito cruza o continente americano todo para ir trabalhar como entregador de pizza, taxista ou descarregar caminhão em Nova York, da entrevista sorridente e diz que é feliz por poder andar com cordão de ouro pelas ruas e não ser assaltado, em Nova York somos todos nordestinos.
O brasileiro é nordestino, o Brasil é nordestino, os primeiros brasileiros nasceram aqui e se espalharam pelo país, o nordestino é uma espécie de palestino perseguido, morto e humilhado em seu próprio país.
Eu nunca sair da Bahia, em verdade só conheço as cidades da região metropolitana de Salvador, parte do recôncavo e Mundo Novo, confesso: não conheço o mundo e posso errar por confiar em informações não checadas ou experiências não vividas por mim.
Os povos latinos sempre buscaram uma unidade, o Brasil sempre ficou distante disso, temos diferenças internas marcantes que são acentuadas por toda sorte de preconceitos e se há uma unidade federativa temos uma nítida separação cultural e linguística.
Tenho certeza tudo isso em algum lugar no futuro vai levar a uma separação federativa o que será uma pena, já que nossa beleza vem da nossa diversidade a qual também só permanecerá bela se cada lugar continuar encantado consigo sem querer tornar feio o Mundo Novo de ninguém.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
Ps- A foto que ilustra esse artigo é de Mundo Novo-Ba

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…