Pular para o conteúdo principal

The End (a morte é uma nova chance de vida?)

Defendeu apaixonadamente todas as bandeiras de sua geração.Certa vez o encontrei sentado no chafariz da Purificação, tocava suas desafinadas canções com a emoção a flor da pele, era ele só emoção, pele e flor.
O vi embriagado declamando poesias, escravo de suas paixões, refém da sua imutável crença em que todos os corações são uma revelação divina.
Ajudou, abriu portas... Acabou dormindo pelas ruas, pensou ser amado, mas nunca em verdade foi.
Ficava deprimido, trancava-se em si para logo em seguida oferecer-se ao mundo. Gostava das ilícitas paisagens pelas quais era seu corpo aquarela encantada em toda cidade.
Amou em verdade profunda, o ódio nunca fez pouso em seu coração, mas o ódio sempre esteve nos gestos de quem lhe jurou amor.
Rezava baixinho no pequeno altar escondido em seu quarto sombreado em inúteis nostalgias. Adoeceu, sabia que era grave, mas ficou quieto, no fundo o mundo começou a cansá-lo, sabia que os seus ficariam bem e o quanto a pequena semente cresceria em sagrada alegria.
Adoeceu em tristeza profunda, como Jó se viu abandonado pelo mundo o qual achava possível e em verdade nunca houve.
Seu coração batia feliz, mas batia sempre sozinho, uma tarde caiu de joelhos, olhou para o céu, tentou entender o porquê de tanta dor.
O vi falando alto pelos bares, voltando para casa sozinho, sendo humilhado... Nunca entendeu os sinais do amor que lhe foi dado na alegria de com ele estar.
O vi em um show da Contracultura, na passeata de estudantes, no DCE pedindo diversidade enquanto era tratado pelos seus na igualdade de ser ninguém.
Certa vez pintou um enorme Cristo, não sabia o quanto aqueles pregos e mãos eram suas... Tão seus quanto à dor sozinha em ser ele amor em singular existência.
Essa manhã olhou-se no espelho, não se reconheceu , voltou para cama, viu sua alma valsando em sua frente, finalmente estava livre para viver o mundo.
Adeus meu amigo, foi um prazer, vai em calma paz, eu sei, de quem só quis do mundo o bem ...um bem.












Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…