Pular para o conteúdo principal

Carlos Falck

Assim o poeta Ildásio Tavares falou sobre outro também poeta Carlos Falck (1931-1964) um dos grandes poetas desgraçadamente quase esquecido neste país no qual memória coletiva é a memória individual de alguns poucos que detém o controle da cultura e da massa falida desta mesma cultura: “praticando a auto-ironia, expressando seu dilema cotidiano de encarar uma realidade que não se afinava com seu temperamento sensível, ou de fugir desta realidade”.
Praticando essa auto-ironia, Carlos Falck, nos deixou um legado poético memorável, com total consciência do seu verso Falck chega os nossos dias sem distanciamento histórico ou anacronismo, em verdade sua poética me parece mais dada aos dias de hoje que do seu próprio tempo no qual o mundo estava mais dado à música e revoluções, ditaduras e guerras com sentido confiscador das riquezas de países como o Brasil.
Carlos Falck escreveu sonetos, versos livres, poemas filosóficos e não deixou de brincar poeticamente com o classicismo, sem, contudo ser chato ou ter excesso de erudição, mal e doença de muitos poetas como Roberval Pereyr, professor da Uefs, que embora tenha contribuições importantes para a literatura peca em excesso de imagens nos seus versos o que transforma sua própria poesia em algo secundário diante a urgência de criar imagens sobre imagens, Carlos Falck não cometeu esse erro.
Falck em vida nunca publicou um livro se quer, sua produção foi quase toda publicada no extinto Jornal da Bahia, o poeta suicida, para mim, é um dos grandes nomes da poesia em língua portuguesa.
Do livro “Ofício de Cancioneiro e outros poemas” organizado por Ildásio Tavares (Imago Editora/ Fundação Cultura do Estado da Bahia, 2002) selecionei o” Poema Esquisitamente triste”.



Estendo as mãos que tenho para o céu
e sinto-as plenamente de estrelas.
E ser sozinho
Assim
é ter um mar aprisionado de venturas
e entender de peixes e paixões.
Amei o que devia amar. Agora
a dor começa a ser compreendida.
O farol habita a solidão da praia;
meus olhos vão no vazio
mas sorririam se acontecesse
um crepúsculo qualquer.
Detesto o ter de sonhar o que não quero.
A raridade da calma
faz-me odiar o desejo e a posse.
Quero restar na solidão porque entendo
que assim será melhor .
Em vão os anjos prometem um amor maior
uma paixão que não termine em ódio,
um beijo que não seja
beijo mas muito surpreendente flor.
Minhas mão estão consteladas
de lágrimas. Estou na terra
e meu céu é a grandeza obscura de meu sofrimento.
E nenhuma musa perto,
e nenhuma mulher ardente para que brilhe
novamente o clarão da esperança.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…