Pular para o conteúdo principal

Monteiro Lobato no banco dos réus

Monteiro Lobato foi preso por Getúlio Vargas, foram muitas as acusações: representava um perigo para a nação, suas histórias infantis acusadas de serem comunismo para crianças, ter criado a primeira empresa brasileira para exploração de petróleo. Getúlio, como grande ladrão de ideias boas e ruim que era, com base na ideia boa de Monteiro cismado em encontrar petróleo no país, criou a Petrobrás.
Muitos anos depois disso tudo são levados aos bancos dos réus Pedrinho, Narizinho e Dona Benta. Motivo? Racismo. Reinações de Narizinho é a prova do crime. Cadeia póstuma ao velho Monteiro Lobato, ele que era comunista, pode ser preso (mesmo estando morto) pelos comunas direitistas chefiados pelo Grande Irmão branco: Lula (leiam “1984” livro de George Orwell)
Em reinações de Narizinho Monteiro Lobato nos mostra o Brasil rural paulista, com seus coronéis e preconceitos, antes o país imaginava que coronelismo era coisa só do nordeste. Nas suas reinações no Sítio do Pica Pau Amarelo Narizinho e Pedrinho, duas crianças da cidade, se encantam com o mundo mágico apresentados a eles pelas histórias de Dona Benta e Tia Anastácia que criam todo um universo lúdico e apresenta parte da nossa cultura popular aos dois coraçãozinhos urbanos de Pedrinho e Narizinho.
O livro viaja entre o fantástico e a dura realidade de um país cheio de contradições. Em determinados momentos o narrador do livro descreve Tia Nastácia com o olhar que se tem e sempre se teve até aqui das empregadas domésticas, hoje tratadas pelo eufemismo de “secretárias do lar”.
Monteiro Lobato não foi preconceituoso ou racista, levou ele para o imaginário infantil temas difíceis com o preconceito social e de raça. Fazer um recorte em uma obra literária e apontá-la como racismo é que é um crime, quem faz isso deveria ser processado por manipulação cultural.
Querem agora colocar notas explicativas nos livros de Monteiro Lobato. O que deve-se cobrar dos governos é uma profunda reforma no ensino fundamental, na formação de professores que vão atuar no nas séries iniciais para que tenham condições de trabalharem com um livro tão complexo como Reinações de Narizinho, como diria Antoine de Saint-Exupéry, livro que só as crianças entendem.
Não conheço nenhuma criança negra ou branca que tenha se tornado racista por ter imaginado-se vivendo inúmeras aventuras com o Saci, aliás o Saci é o elemento mitológico do bem na história junto com as crianças luta contra a Cuca, uma espécie de mutação de jacaré e gente sempre pronta para pegar daqui e comer dali.
Por que ninguém fala do ensino público fundamental no país? Só falam de cotas para universidades ou Enems e Prós- unes? Porque tanto professores e alunos das escolas públicas do ensino fundamental não têm prestígio social e político, são esquecidos, tratados como se fossem invisíveis não importando se negros ou brancos.
Deveria-se, no caso da Bahia, cobrar publicamente do governador do estado explicações pelo extermínio em massa dos jovens negros dos bairros não centrais de Salvador, cobrar da justiça a prisão de agentes do turismo sexual que estupram e roubam a infância das nossas meninas negras transformadas em “mulatas” do prazer.
Deveria-se convidar alguns cantores de bandas de pagodes da Bahia para uma educação cultural e social por escreveram canções nas quais as mulheres negras são chamadas de: Cadelas, pistoleiras, prostitutas e tantas outras pérolas do cancioneiro soteropolitano. Aliás, no lugar de convidar deveria-se enquadrá-los na lei racial.
O Grande Irmão Lula vetou (através dos seus parlamentares) do estatuto da igualdade racial às cotas para acesso de pessoas negras as universidades públicas, no dia da “festa” da aprovação do estatuto, O Grande Irmão Lula discursou, foi aplaudido de pé. Zumbi Lamenta, sua Serra da Barriga continua lutando sozinha.
Os negros e negras sobreviventes nas calçadas de Salvador, os que estão sendo exterminados nas ruas de Maceió, estão vivendo nas crakolândia morrem pelas armas policialesca do estado são negros reais e ainda estão no meio do oceano em um criminoso navio negreiro chamado indiferença.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…