Pular para o conteúdo principal

O mal do século

No final dos seus 36 anos de vida Renato Russo reescreveu em uma das suas canções o mal do século dos poetas românticos: “Diga o que disserem o mal do século é a solidão”. Cantou isso Renato na bela canção “Esperando por mim”.
Há alguns caminhos os quais por vezes são percorridos na indigesta companhia da: solidão sentimental, ideológica, política, cultural e claro social. Nesse caminhar em cada momento se não fiéis ao bem humano que somos, vamos nos deixando pedaço por pedaço nas esquinas do acaso do que não somos, mas nos fizeram acreditar cegamente não existirmos além disso tudo.
Conviver não é viver em um mundo sem diálogo, ter com outra pessoa é antes de tudo saber dela, ouvi-la, segurar bandeiras não é impor um desejo radicalmente no coração de ninguém, nada imposto tem final feliz. Nem o bem pode ser imposto pela força.
Não estar solitário é ter algum tipo de amparo, de carinho gratuito, estar feliz na face de alguém que nos quer bem pelo bem, o amor pelo carinho de se estar presente na vida de alguém e principalmente ter consigo mesmo uma relação de solidariedade inabalável.
Há muitas sensações falsas de que se tem carinho e compreensão. A depender do personagem e cenas da vida na qual atuamos há muitas pessoas dispostas a nos aplaudir, ter por nós carinho, fingir um orgasmo bem gostoso quando em verdade tudo é carinho éter, amor preservativo.
Não é difícil sentir-se só neste lugar comum que é o Brasil, nesta grande revista vazia que transforma sorrisos em cartões de crédito. Chega-se ao ponto de se desconfiar mais das afeições do que dos gestos rudes, o que é rude quase sempre é sincero.
Mergulhar na leitura de tudo, ler o máximo que for possível. Ler no prazer do diálogo sem o risco de ficar constrangido ao descobri o quanto de falso do outro havia ou há em nós.
Ler é uma relação incestuosa entre leitor e autor no qual cada palavra serve-nos apenas se for diálogo, “cada leitor é co-autor de um texto”, tem em si todo um universo de significados e junto com o autor atribui razões a um ideia, e é aí que a solidão por alguns instantes pode desaparecer ou ao menos ganhar certa promiscuidade santificada pela urgência de vivermos para além de nós mesmos.
Gente solitária entre gente, gente trepando com gente fantasma, gente que ama personagens, gente tão solitária quanto o Tio Patinhas, gente dolorida, gente que se despede com arte, gente cansada de buscar o amor próprio e ter como parceiro o desencanto de sempre acaba se jogando do alto de um prédio, gente a cair na ilusão de ter a sim mesmo.
A natureza nos traz para este mundo , a vida nos tritura, afoga-nos em ilusórios sonhos e desejos. A vida é uma aquarela que como escreveu Vinicius de Moras “um dia descolorirá”.
Tenho evitado ser personagem, prefiro viver a crueldade de ser quem sou. Quando saio ultimamente saio sozinho, deixo que o acaso traga amigos e desconhecidos, me resolvo deitado na relva que fiz dos meus desprazeres e alegrias.
Corações automáticos desfilam pelas ruas suas vidinhas previsíveis, todos nós temos sentimentos previsíveis, mas há a poesia, abrir os braços diante tragédias inevitáveis e abraçar o bem que ainda graça nos corações sangue bom pode ser sim uma alegria em meio ao drama das solidões impostas pelas inconsequências dos dias não desenhados por nós.
A solidão das crianças que já nascem em um mundo parcialmente destruído. Um dia abrirão uma enciclopédia e lerão sobre um sentimento que seus avôs tinham e seus pais mataram: amor.
A solidão das pessoas em suas casas, nos pontos de ônibus, dos que dormem nos bancos da Praça da Piedade e são acordados por baldes de água gelada ou tiros, os que adormecem em silêncio e acordam envelhecidos diante dos seus olhos cansados.
A solidão de Deus expulso do paraíso por seus filhos, a solidão de Cristo transformado em fonte de luxaria e riqueza para tanta gente, a solidão dos pais e mães preocupados com os sues filhos sozinhos nas capitais na aventura pelo emprego e estudo.
Tem dias, acredite, é melhor mergulhar na tristeza de si mesmo, aprender com as próprias fraquezas do que abrir o coração a falsa sensação de que se é amado ou amada.
Às vezes Anjos e demônios são criaturas idênticas, apenas duelam por corações ainda imunes ao azedume humanóide, às vezes é melhor a ignorância do que uma verdade imutável, cada um tem em si seu potencial de Deus ou Lúcifer, sua alegria em ser gente ou não.
A solidão às vezes é uma boa companhia, principalmente quando acompanhada de algo por vezes adormecido em nosso coração: o amor próprio.
Ps- texto escrito ao som de “Esperando Por mim” Legião Urbana











Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…