Pular para o conteúdo principal

No mesmo coração

Hoje beijei uma menina, uma menina linda. Temos a mesma idade e corações com manias parecidas, parece ter dentro de si todo outono da vida sem se perder em vã tristeza, isso se alguma tristeza for vã.
Mora ela há uns dois quilômetros da minha casa e há uns quinhentos metros do prédio o qual passei minha infância, crescemos na mesma rua, amigos comuns, mas nunca havíamos nos cruzado ou trocado ao menos uma olhar sem pretensão mais que um “bom dia”.
Talvez você viva em uma cidade grande e nada disso faça sentido, mas para mim é estanho saber que logo ali perto alguém crescia embalada pelas mesmas toadas de juventude e nunca nos cruzamos.
A solidão não é mais exclusividade das pessoas e suas capitais como bem cantou Belchior, a solidão ferve em qualquer canto, em qualquer presépio de cidade. Andar pelas ruas, sempre enfrente e sem motivos para olhar ao lado e dizer: “oi!”
Acho estranho quando encontro alguém que vive perto de mim e pergunta: “nunca mais mandou um e-mail, já tem MSN? Abandonou o Orkut?”
A vida cada vez mais vai ficando perto do que preconizou Aldous Huxley em seu “Admirável Mundo Novo”: artificializada. A emoção de se “ter” ou estar perto de alguém substituída pela vibração de dominar uma ferramenta de mídia ou de internet e o mais grave vidas controladas por esse sistema de emoção em bits.
Não sei se tudo isso foi à causa do nunca encontro da menina e o beijo de ontem à noite, mas, poderia ser pior, poderia ser um beijo virtual, um gozar de mentirinha. Sabe quando nos masturbamos e temos uma sensação de ressacar?
Queria mesmo, como quase todo mundo, era alguém para viver o tempo que me resta, ficar em casa, vendo meus DVDs piratas (todos patrocinados pela ACINE) isso porque só compro CDs piratas que sejam devidamente financiados pelo governo.
Tenho prestado atenção nas palavras soltas, nas verdades entrecortadas e vou ficando apavorado, tenho medo de perder a emoção de estar com alguém, de me enredar nesta terra de ninguém que é pilhagem social, emocional, política e cultural... Nesta mediocridade em ser individualista, gozar, vestir a roupas e sair.
Tudo que é humano não me é anormal, mas como em “A revolução dos bichos” de George Orwell, fico preocupado quando alguns são mais iguais que os outros, quando isso acontece é sempre um igual para o mal.
A única diversidade possível é do tempo, único deus realmente socialista que a todos celebra com inevitáveis marcações: velhice, solidão, dor e por fim morte.
O problema é que estamos cada vez mais nos estranhando em nossa própria condição humana, outro dia ouvir alguém dizer que: “o amor que sinto pelos meus cachorros demonstra o apreço que tenho pelos homens”. Quando isso acontece creio que também surge um terrível desprezo para com nossa própria raça. Se é que temos alguma.
Espero com tudo isso que esse ser mais igual que o outro não atrapalhe meu olhar de por aí encontrar outra menina linda, desta vez ter algo mais que um beijinho doce, ter uma parceira para um viver sem pós-besteiridade, um viver tão calmo quanto à música do Walter Franco: “Amor vem te busca/ em pensamento/ cheguei agora no vento/ Tudo é uma questão de manter/ a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo”
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…