Pular para o conteúdo principal

Cantina da Serra e outros carnavais

Lá fora há muitos fantasmas, todos parecidos com os que um dia devorei em deliciosas luxarias, mas hoje são menos que cadáveres, são fantasmas.
Bate a minha porta um anjo de muitas cores e pouco coração, lanço confetes e serpentinas. Vivo minha própria alegria, hoje sei que para ser sempre carnaval no meu peito e nunca acordar em uma triste quarta de cinzas tudo que sou e devo ser é amor inconteste por mim mesmo, me desfaço em cristais de gelo na palma ácida do acaso, se o acaso por ser dor, há nele também a possibilidade da alegria.
O tempo do sonho é o tempo concreto de estarmos felizes, vai-se vivendo como se pode, os degraus são muitos, a sensibilidade um crime.
O acaso que sou tem dias de profunda alegria, me masturbo no descompromisso de outro que não eu fazer feliz, o tédio de estar em outro corpo nos revela a inúmeras possibilidades de sermos felizes sozinhos.
Escrevo livros, desejo o bem universal e a noite estou sozinho com meu profundo amor,
pouco me importa se tudo se vai neste consumismo emocional.
Sou veneno, tesão e sexo sem propósito, quando morrer quero do tempo a calma para nos dias felizes de minha filha viver.
Não gosto do mar, me escondo da luz ao sol, sou comunista sozinho com minha bandeirinha de improbabilidades.
Meninas estão famintas, mas só há corpos sujos, quem me chama de “meu amor” não sabe de mim... Não nasci para amor, sou um favelado sentimental.
Lá em casa tenho meu quintal e a beleza da vida na graminha verde que minhas gatinhas brincam inocentes.
Tenho medo da morte que chega de repente, viver é preciso, mas morrer não deveria ser nada além de natural.
Sou medíocre como os passos sem razão de um errante senhor e seu cárcere no qual todos meus personagens dormem no silêncio das pedras.
Ando em busca de paz, ando em busca de beleza e justiça, tudo que já fiz é tempo de coisa alguma. Há muito vivo em círculos no tempo a me desfazer todos os dias.
A morte dos pobres sempre é ridícula, se morre por coisas que do outro lado da rua não existem mais, pobres escrevem em carvão a dor sentida em escala menor de sensibilidades.
Deus joga com a sorte de quem não sabe sorri, há poucos dentes por aqui, uma espécie de tortura se vai quando me recuso a beija quem mais me alegra as noites... Festa dos filhos do vento, com ele vem e com ele se vai , tenho muita alegria em viver você.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
Ps- Texto escrito ao som de “Você ainda pode sonhar”, dos Beatles, versão de Raulzito e os Panteras.













Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…