Pular para o conteúdo principal

Livros

 Se não fossem os livros para mim seria penoso viver comigo mesmo e andar por estas ruas na constante solidão que sou. Quando leio Murilo Rubião deixo por alguns instantes este mundo perigoso e mergulho no lúdico, na minha vida como única possibilidade de si mesma.
Penso o quanto poderia ter ficado analfabeto como meus pais, penso também no tamanho do amor que meus pais sentiram ao me matricular na Escolinha São José, minha primeira escola, da minha primeira professora: a Tia Hermínia.
Meus pais, minha casa, meus livros. Minha vida é alegria dessas três coisas e que agora ganha o tempo da emoção em começar ensinar a minha filha as primeiras letras, quando vejo e sinto tudo isso tenho certeza que há sim o doce da vida.
Sem a possibilidade da leitura constante das minhas emoções, sem livros para neles buscar respostas para perguntas entre as razões e sensibilidades o que de mim seria? Claro que há inúmeras maneiras de ler e viver este mundo, a palavra escrita é só mais uma dessas maneiras, mas é a que me encanta e me diz: você está vivo!
A palavra é a minha alegria que também é o meu desassossego, a única coisa que tenho, nem bela ou feia, triste ou alegre é simplesmente o que tenho, minha palavra é uma moeda barata que faz a alegria dos meus passos e o amor pelo tempo de estar vivo.
Gostaria de ir para a Europa, andar pela América Latina, conhecer de perto outros lugares e suas palavras, ir a Praga, dormir noites inteiras no Crato, encontrar minhas raízes no canto dos poetas populares nos sertões que guardo em minhas saudades, antes de morrer desejo cruzar com essa ancestralidade que sinto está aqui perto.
Dentro deste meu peito Gabriel García Márquez renasce sempre gente novainha, gente que tem o coração nas mãos e alegria nos olhos por saber livros e gente.
Deixo para traz velhas marcas e certezas, mergulho na aventura de viver permanentemente quem sou e o que surge a cada instante ao cruzar textos escritos sobre minha pele curtida ao sol.
Vou entre o real e a fantasia, como um dia eternamente cinza nas canções dos Beatles e em cada esquina da minha Santo Amaro amanheço mil personagens.
Sempre quis me pintar de palhaço só para ser fotografado, mas nunca encontrei ninguém para me maquiar, uma foto apenas como um palhaçinho desses de penteadeira, um Patati ou Patata totalmente alma sem medo do escuro entregue ao colo e carinho dos pais.
Há uma canção linda de Carlinhos Brown gravada por Marisa Monte que às vezes pela manhã canto bem alto: “Quem viu barquinho de papel ancorado no mistério/ quem tem Deus como império/ não mundo não está sozinho/ os livros não são sinceros” *.
Livros não têm verdades ou mentiras, livros nos oferecem palavras, cada um faz delas o que quer. Como Aristóteles escreveu: “com as mesmas palavras que se faz uma comédia se faz um drama”.
“Quem tem Deus como império no mundo não está sozinho”. Meu coração papel ofício A4 anda tão sozinho, delicadamente sozinho como uma nuvem áspera no apavorar cristão coração na hora que tudo é raio, relâmpago e trovão.
Página 55 do livro de todas as perdições: o senhor está absolvido de todos os crimes a partir deste instante serás feliz como cactos plantados em tudo o quanto lhe parecer belo.
Se não fossem os livros todas as tardes morreriam comigo, todos os anjos andariam descalços como inimigos essenciais, se não fosse a palavra tudo acabaria em profundo silêncio, tudo sempre diz alguma coisa mesmo quando a impressora engasga ou falta luz e você não salva o teu coração do branco que nasce a cada apagão, a cada nova ilusão nos dias de leitura e tédio inventado.
Ps- Texto escrito ao som de Magamalabares de Carlinhos Brown na voz de Marisa Monte



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…