Pular para o conteúdo principal

Livros

 Se não fossem os livros para mim seria penoso viver comigo mesmo e andar por estas ruas na constante solidão que sou. Quando leio Murilo Rubião deixo por alguns instantes este mundo perigoso e mergulho no lúdico, na minha vida como única possibilidade de si mesma.
Penso o quanto poderia ter ficado analfabeto como meus pais, penso também no tamanho do amor que meus pais sentiram ao me matricular na Escolinha São José, minha primeira escola, da minha primeira professora: a Tia Hermínia.
Meus pais, minha casa, meus livros. Minha vida é alegria dessas três coisas e que agora ganha o tempo da emoção em começar ensinar a minha filha as primeiras letras, quando vejo e sinto tudo isso tenho certeza que há sim o doce da vida.
Sem a possibilidade da leitura constante das minhas emoções, sem livros para neles buscar respostas para perguntas entre as razões e sensibilidades o que de mim seria? Claro que há inúmeras maneiras de ler e viver este mundo, a palavra escrita é só mais uma dessas maneiras, mas é a que me encanta e me diz: você está vivo!
A palavra é a minha alegria que também é o meu desassossego, a única coisa que tenho, nem bela ou feia, triste ou alegre é simplesmente o que tenho, minha palavra é uma moeda barata que faz a alegria dos meus passos e o amor pelo tempo de estar vivo.
Gostaria de ir para a Europa, andar pela América Latina, conhecer de perto outros lugares e suas palavras, ir a Praga, dormir noites inteiras no Crato, encontrar minhas raízes no canto dos poetas populares nos sertões que guardo em minhas saudades, antes de morrer desejo cruzar com essa ancestralidade que sinto está aqui perto.
Dentro deste meu peito Gabriel García Márquez renasce sempre gente novainha, gente que tem o coração nas mãos e alegria nos olhos por saber livros e gente.
Deixo para traz velhas marcas e certezas, mergulho na aventura de viver permanentemente quem sou e o que surge a cada instante ao cruzar textos escritos sobre minha pele curtida ao sol.
Vou entre o real e a fantasia, como um dia eternamente cinza nas canções dos Beatles e em cada esquina da minha Santo Amaro amanheço mil personagens.
Sempre quis me pintar de palhaço só para ser fotografado, mas nunca encontrei ninguém para me maquiar, uma foto apenas como um palhaçinho desses de penteadeira, um Patati ou Patata totalmente alma sem medo do escuro entregue ao colo e carinho dos pais.
Há uma canção linda de Carlinhos Brown gravada por Marisa Monte que às vezes pela manhã canto bem alto: “Quem viu barquinho de papel ancorado no mistério/ quem tem Deus como império/ não mundo não está sozinho/ os livros não são sinceros” *.
Livros não têm verdades ou mentiras, livros nos oferecem palavras, cada um faz delas o que quer. Como Aristóteles escreveu: “com as mesmas palavras que se faz uma comédia se faz um drama”.
“Quem tem Deus como império no mundo não está sozinho”. Meu coração papel ofício A4 anda tão sozinho, delicadamente sozinho como uma nuvem áspera no apavorar cristão coração na hora que tudo é raio, relâmpago e trovão.
Página 55 do livro de todas as perdições: o senhor está absolvido de todos os crimes a partir deste instante serás feliz como cactos plantados em tudo o quanto lhe parecer belo.
Se não fossem os livros todas as tardes morreriam comigo, todos os anjos andariam descalços como inimigos essenciais, se não fosse a palavra tudo acabaria em profundo silêncio, tudo sempre diz alguma coisa mesmo quando a impressora engasga ou falta luz e você não salva o teu coração do branco que nasce a cada apagão, a cada nova ilusão nos dias de leitura e tédio inventado.
Ps- Texto escrito ao som de Magamalabares de Carlinhos Brown na voz de Marisa Monte



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…