Pular para o conteúdo principal

Não há namorados no jardim

Foto: Ediney Santana
Quando criança meu pai me levava a Praça da Purificação (Santo Amaro-Ba) ou Jardim como ele dizia. Era comum encontrarmos casais de namorados sentados nos bancos da Praça ou quase grudados nos postes de iluminação trocando carícias que aguçavam a imaginação no início da minha puberdade nos anos de 1980.
Hoje quase não vejo mais namorados na Praça, mãos dadas é peça arqueológica, demonstração pública de carinho é mais que fato raro e namorar me parece um pouco fora de moda.
Namorar é dar tempo para o amor chegar, ter com o outro cumplicidade e se permitir ao dialogo, abrir o coração na expectativa de estar com alguém que pode virar nossas vidas pelo avesso sem nos machucar, nos revelar na excitação da cumplicidade outros caminhos que quando percorridos juntos tornam tudo mais leve.
Namorar é um lento revelar-se e nada é mais fora de moda que isso. Vivemos no tempo o qual a máxima intimidade é uma rapidinha em um motel em roteiro previsível. Para mim o maior contato íntimo entre duas pessoas não é o sexo, o bater de coxas como escreveu Gregório de Mattos, para mim a maior contato íntimo é termos nossas vidas em cumplicidade com de outro alguém.
Gosto de motéis, do ar condicionado, das luzes, dos filmes de putaria sem limites e do banho quente entre linguadas. Mas tudo isso só vale a pena quando estou com uma pessoa que além de gemer e sussurrar sabe ser gente de palavra, alegria e tesão que não acaba em cinco minutos de mentiras mutuas.
Quem disse que é só a mulher quem sabe fingir prazer? Vá acreditando nisso, o mesmo asco que uma mulher sente o homem sente também quando depois do gozo do outro deseja-se apenas vestir a roupa e desaparecer.
É tudo para ontem, estamos divorciados em muitos casos com a paciência de sermos para além de nossa vontade, a ansiedade é inimiga terrível do companheirismo, só namora quem se permite ser companheiro.
Julio Braga foi meu professor de Cultura Brasileira na UFES, um dia ele me disse que viver junto, ter alguém como companheiro é comer sal juntos. Quem nos dias de hoje vai comer sal?
Enfrentar as diversidades, as agonias de uma vida a dois?
Não sou trágico, sou esperançoso na “humanidade”, mas só por hoje fico com o Jardim vazio e a Purificação triste... É claro que não sou de ferro... Carne também sente...
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/
Ps- Escrito ao som de “Pingos de Amor” de Paulo Diniz e “ Nostalgia in Times Square” de e com Charles Mingus





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…