Pular para o conteúdo principal

O beijo do capitalismo


Quase todas nossas predileções (roupas, livros, discos, etc...) são por coisas “abençoadas” pelo capitalismo cultural. Assim vale além do que se realmente é quem o capitalismo consagrou com a fórmula talento (ou não) + fama= lucro.
Os “maiores” artistas frequentam a lista dos bestsellers, o lucro que essas pessoas dão ao sistema aumenta a real importância que eles têm.
Claro, há pessoas com talento consistente que também fazem parte do esquema, esses são sugados até os ossos e em troca são eternizados pelo sistema como “gênios”, “ ícones de uma geração”.
Caetano Veloso nasceu aqui em Santo Amaro, é indiscutivelmente um sujeito de talento, mas fico pensando se em um determinado momento ele não tivesse sido beijado pela indústria cultural como estaria hoje?
Resposta: fazendo barzinho em um boteco qualquer, lecionando filosofia no Teodoro Sampaio ou na UFBA e se tivesse as mesma ideias de hoje sobre educação, religião, política e sexo em Santo Amaro estaria fodido.
A indústria do entretenimento mudou muito desde que Caetano Veloso cantou pela primeira vez na televisão “Alegria Alegria”, hoje não é necessário consistência alguma para ser chamado de “ícone de uma geração”, a indústria aposta em uma mina de ouro: as celebridades instantâneas convenientemente descartáveis,algo entre um Alain Delon ou Marilyn Monroe piorados.
Fato é: na sua rua pode viver um Guimarães Rosa ou um Jorge Amado, mas se eles nunca forem tocados pelo capitalismo cultural poucas serãoas chances de serem lidos.
Sempre comprei livros em editoras alternativas e agora escuto muitos artistas em sites de música na internet,por vezes quando falo de artistas maravilhosos que encontro em ambientes virtuais obscuros ou sebos com algumas pessoas a reação quase semprenão é entusiasmada.
Você acredita ser normal há mais de trinta anos Caetano, Gil e Chico seja a santíssima trindade da música popular brasileira? Ou que só Jorge Amado, enquanto escritor, foi o único a decifrar o jeito de ser do baiano? Que sem Machado de Assis não existiria literatura brasileira?
Todos esses artistas são relevantes, abençoados pelo capitalismo cultural, mas relevantes, no entanto não são os únicos,entreeles há um imenso vazio o qual poderia ter sido preenchido por tantos outros grandes talentos desaparecidos pelo caminho.
Há pessoas que apareceram, deram lucro ao capitalismo cultural, mas por algum motivo foram colocados como inferiores, artistas de “segunda classe” e aí talvez esteja escondido inúmeras coisas: preconceitos, grau de comprometimento político, parceira instável com os ideais do sistema...
O poeta Iidásio Tavares em seu poema “Madrigal do século XX” escreve: “Século dos gênios inchados para aparecerem/grandes como superproduções cinematográfica americanas; gênios / dos escândalos sensacionalistas/ e do “marketing” cuidadosamente projetadose / diagramados na prancheta para serem rotulados e/ engarfados pela assessoria de imprensa/.
Não sinto vergonha alguma em levar para sala de aula muitos textos de blogs ou músicas do myspece, somos muitos, somos diversos... Ao menos em minha sala de aula a indústria cultural capitalista só entra quando tem “razão”, trilhas de novelinhas das novelas das oitos não canta nada em meus ouvidos... Adoro Bule Bule* cantador aqui dos sertões e recôncavo dos meus dias.
Ps- texto escrito ao som de “Madrigal do século XX, com Iidásio Tavares. CD As flores do caos, Iidásio Tavares, série: Poesia e voz vol.02, Fundação Gregório de Mattos, prefeitura municipal de Salvador-2008.
* O camarada da foto é Bule Bule cantador e repentista aqui da Bahia, cabra muito bom de samba e verso.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…