Pular para o conteúdo principal

O silêncio

Para quem vive em uma grande cidade nada tão raro quanto o silêncio. Certa vez, como muitos jovens do interior, fui tentar a sorte em Salvador. Morei em um pensionato no Corredor da Vitória, uma das ruas mais elegantes e simpáticas da velha capital.
Depois de um mês em Salvador fui até Santo Amaro visitar minha mãe, quando cheguei sentir pela primeira vez o silêncio da pequenina cidade e suas ruas a guardarem mais de 400 anos de história. Tudo parecia demasiadamente quieto e lento, uma sonolência histórica tomava conta de cada rua, becos e cumprimentos invariáveis como: Oi Ney, tá sumido cara?
O silêncio pode ser um primoroso aliado ou um tenebroso companheiro ao nos impor um cruel anonimato emocional ou social, pode nos trazer imensa alegria ao nos ajudar a refletir sobre nossas ações e o mundo o qual nos fazemos parte, mas também pode nos dizer o tamanho exato do que somos sem exagero em dor ou alegria.
Durante muito tempo escrevi canções, são muitas, poucas foram ouvidas, pouquíssimas foram escutadas. Música sugere encontro imediato, escrever por outro lado tem algo de calmaria, o texto escrito acontece lentamente, a literatura é uma maravilhosa parceira do silêncio tanto na sua produção quando em sua leitura.
Quando comecei a escrever nos jornais de Santo Amaro, em especial o Ataque e O Trombone parti do silêncio para algo que sempre quis: encontrar-me com o mundo desejoso de provocações, o mundo no qual poderia não eu, mas algo de mim entrar em harmonia ou conflito com o mundo para além das minhas sensações. Quem escreve escreve para ser lido mesmo que seja um diário particularíssimo.
O silêncio pode ser sim um conforto, mas só quando voluntário e não imposto. Escutar do coração a voz a nos revelar ao mundo o qual somos e principalmente podemos ser, talvez seja essa a melhor lição, venho aprendendo com o meu silêncio encontrado pela primeira vez quando deixei o pensionato no Corredor da Vitória e voltei para o meu canto na cidade cheia de vozes antigas vindas das senzalas e, sem trocadilhos, da casa grande.
http://edineysantana.zip.net/
Ps-Texto escrito ao som da banda Cocceau Twins













Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…