Pular para o conteúdo principal

Festa anual dos corações solidários

Estou tão contente, Adriana ligou, chegou bem em Londres, assim que desembarcou no aeroporto comprou um postal e mandou para mim. Foi fazer doutorado em artes e cinema, fico feliz no coração feliz dos meus amigos.
Choveu um pouquinho aqui em casa, na praça faz sol, estou tão preguiçoso, meu amor riu do meu olhar puro sono da tarde.
O que espero do futuro? Demore a chegar porque meu dia é tão bonito... No jardim não há mais monstros, comprei uma nova camisa toda em rosa e verde chá, minha mãe é tão bonita e sinto saudade do meu pai.
O Pedro resolveu assumir que está de AIDS, achei ele muito corajoso, estou com ele na alegria e na dor de sermos amigos, amigo na alegria, amigo na dor.
Voltei a trabalhar, estou contente, novo emprego, novas possibilidades, não há moscas aqui por perto, tudo tão verdade e paz nestes instantes antes do por do sol.
Colhi erva- cidreira no quintal da nossa casa, meu irmão me deu um livro do Leonardo Boff de presente, estou terminando meu romance, o ano que vem vou publicá-lo bem longe de Santo Amaro.
Gosto das verdades que não se impõe, das rosas e orquídeas, fui a loja de R$ 1,99 comprei incenso de sândalo, a Paulinha passou por aqui e me deixou um beijo, ontem dormir tarde, no Bistrô do Miúdo há um licor bom.
Tenho tanta compaixão pelas meninas a prostituírem no centro da cidade para comprar cocaína, fica tudo sem razão, indiferentes vão-se os viventes das sempre trágicas horas.
Tenho dois corações: um que é só amor outro só razão vidraça, os dois pulam comigo na grama quente do nosso ninho.
Sou criatura estranha, dessas que querem a paz no mundo, o bem de todos e morrem de solidão no dia dos namorados.
Tudo me foi sempre coração bandeja para festa de alguém. Ouço a Célia Porto no volume mínimo, ela é só minha.
Achei em meu quintal um luar e grilinhos cantadores, foi tudo tão bonito quanto renascer da mesma mãe na alegria de no espaço nunca do amor nos perder.
Ser canibal das mínimas coisas, quem em nós é pura paixão, lágrima seca, dor leve? Ascende teu cigarro longe de mim, me pega nos braços, me faz carinho no dedão do pé, foge, como se todo terror do mundo fosse essa cidade e seus corações de plástico.
Nada que fui tem importância, quero esses teus olhos no meu corpo, desvendando meus pecados, no encanto da luz.
Minha mãe fez pipoca, faltou luz na rua, há trovões e relâmpagos, lembrei quando criança, um dia no prédio da Leste ou terá sido na Barra? Minha vó Erundina correu para debaixo dos lençóis, ficou sentada na cama, estava com medo dos trovões e relâmpagos.
Há um abrigo para todos os corações tristes, lá ninguém é feio ou derrotado, todos estão convidados para a grande festa anual dos corações solidários.
Esqueça o que não for prazer, sinta meu bem querer por ti, minha doce esperança de sermos paz e alegria.
Meu corpo tem teu cheiro, minha língua guarda o segredo do teu sexo, nos sabemos amores e espinhos na hora certa.
Amemos, mas cada um com seu coração, nada de sermos dois em um. E.E Cummings está certíssimo quando diz: “um não é metade de dois. Os dois é que são metade de um”.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/
Texto escrito ao som da maravilhosa trilha sonora do filme “O Doce veneno do escorpião Bruna Sufistinha”







Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…