Pular para o conteúdo principal

Insônia


Padeço há muitos anos de insônia. Geralmente passo os dias sonolentos e a noite durmo às 3:00h e religiosamente acordo às 6:00h.
Insônia é um tempo de vida sem propósito e um estar vivo sem razão para isso. Gosto da noite, sobretudo da promiscuidade da noite, mas a noite branca e insone é pior que Campari falsificado no Bar Vermelho.
Meu amado escritor Graciliano Ramos escreveu um livro de contos cujo tema era? Insônia. Contos nos quais os personagens assim como eu dariam tudo por uma noite em paz e sem pesadelos vivos.
Certa vez li que Elvis Presley - tomava remédios para dormir e acordar. Deveria ser uma vida triste a vida do garotinho do Mississipi Nunca quis tomar nada para dormir, talvez se saísses da vidinha sedentária e desse mais propósito ao meu dia seria abraçado pela noite além do que me conflita sem paz.
Trabalho à noite, durante o dia sou quase inútil, me abraço então da minha coberta e durmo, mas não sou preguiçoso , sou doente. Porque insônia é doença, o meu corpo não reconhece a noite como tempo de descanso.
Vejo o dia nascer, a alegria dos que acordam, passarinhos cantando, galos anunciando o dia, o céu clareando deixando tudo enamorado com um anil angelical.
O meu vizinho guarda noturno voltando para casa, o senhor vendendo leite, a meretriz cansada afundada em suas orelhas roxeadas, cansada da noite e dos quase homens que passearem por seu corpo, vai dormir durante o dia todo, não saberá das pequenas alegrias que só o dia nos traz.
Para minha alma gêmea de bagaceiras e desilusões, Castro Alves, a noite é uma negra feiticeira. Fecho meus olhos e vejo o poeta da vida, do amor pela vida e liberdade vagante pelo Pelourinho recitando seus poemas, indo para ladeira da Montanha, as prostitutas o abraçam com carinho, não é mais um cliente é um amigo, Castro Alves e suas insônia poética.
Norma Jeane Mortensen, fêmea inventada que deixou de ser mulher, coitada da Monroe afogada em cocaína e calmantes, desesperada pede para dormir enquanto homens de corações sujos se lambuzam sobre seu corpo de mentira, Michael Jackson que preferiu morrer a continuar vagando pela sua mansão entregue aos braços de uma aterradora insônia.
Seu “Moço”, homem sem casa que mora na porta da Santa Casa, “Moço” triste, à noite me disse que não dorme com medo da polícia, ladrões e medo de sonhar. A solidão dos corações os quais por algum motivo deus impede de ser felizes e os amaldiçoaram com pena de nunca adormecerem sem algumas gotas salgadas de insônia.
Meu pai que era vigilante noturno, noites inteiras em forçada insônia para assegurar até hoje meu pão, poesia e sonhos, talvez inimigos sonhos do concreto de vida sempre por mim desejada.
No meu bairro há pessoas que só vejo durante a noite, há os que só podem sair durante a noite, meninos armados, meninas tristes e seus garotos sem nada além do óbvio, uma noite nunca é igual à outra, as noites da Bahia são tão alegres, sou eu tão feliz.
Ps- Artigo escrito ao som de “Mr. Pandeiro”, com Zé Ramalho











Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…