Como se tornar visível!


Estamos cada vez mais iguais, padronizados no ódio e amor, nivelados em promíscuas convenções políticas e sociais que nos tornam cada vez mais descartáveis. Em meio à multidão nos angustiamos diante a constatação que não passamos de peças de reposição nesta máquina de tritura sonhos e pessoas que é a vida gerenciada como se fosse uma corporação S/A.
Então como sair do lugar comum? Gritar ao mundo: Eu existo!!! Talvez não surta efeito, milhões de pessoas fazem isso todos os dias e acabam como sempre viveram: invisíveis. Nossos desejos em muitos casos refletem o desejo da sociedade de consumo, modelos estabelecidos que se não atingidos deixam um rastro de sensações que somos impotentes e derrotados.
Não acredito no fator sorte e acaso como tutores das nossas vidas. O que chamam de sorte ou acaso é tão somente o encontro de inúmeras ações quase sempre políticas que podem nos atingir com apenas duas “verdades”: inclusão ou exclusão.
Torna-se visível, ser reconhecido pela grandeza do próprio trabalho? O “não!” a isso tudo está intimamente ligado as nossas posições políticas. Não é só força de vontade ou dedicação aos estudos os norteadores de uma vida de sucesso. Lembrando ainda que sucesso é algo particular, cada um tem sua individual noção de sucesso.
Não há neutralidade, nossas ações são políticas, para o bem ou mal somos políticos. O problema é o quanto estamos dispostos a pagar para vivermos de um lado ou outro da moeda. O jogo político corrente e mais poderoso no país é o do individualismo. É o devorar até as sobras para nada deixar, matar, sufocar o que não se pode controlar.
Quero o decote da menina linda, alguns bons amigos para (viva Vinícius de Moraes!) continuar bebendo de bem com a vida, estar na paz do deus inventado nos meus momentos de dores, a paixão inesperada a bater em minha porta.
-Tudo bem, caro Ediney, também quero tudo isso, mas sim, como se tornar visível? Não me diga : “seja original”.
Originalidade? No momento em que tudo é toque e retoque, interessante é reproduzir, repensar?
Caro poeta, tenho minhas contas para pagar, deixa essa história de originalidade e ética para lá, em meio a tudo isso fico com o Raul Seixas: “se no buraco de rato você entra de rato você tem de transar”.
-Tá bom. Estamos cada vez mais tristes e comuns, embora com um riso sempre providencial nos lábios, riso no qual todas as mentiras tornam-se canções de ninar... Traga meu licor e uma cerveja... Essa noite não há Jesus, só Madalenas a sorriem para mim.
Vou me pintar das cores mais invisíveis possíveis, serei rei e lidamente nu nos braços gostosos de Madalena, matarei Cristo de ciúmes.
Algum filósofo grego, bêbado e safado diria: torna-te ti mesmo e serás visível ao menos em tuas paixões, deliciosas paixões de cristal e orvalho ao amanhecer, nisso tudo tens tua parte de visibilidade. Ninguém pode vencer para sempre com o mal.
ediney-santana@hotmail.com
http://edineysantana.zip.net/
Ps- Na foto amigo Josane Peer, você pode ouvir suas belas canções em http://palcomp3.com/josanepeer/ . Dedico para todos vocês a música “No meu quarto”





































Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys