Pular para o conteúdo principal

Como se tornar visível!


Estamos cada vez mais iguais, padronizados no ódio e amor, nivelados em promíscuas convenções políticas e sociais que nos tornam cada vez mais descartáveis. Em meio à multidão nos angustiamos diante a constatação que não passamos de peças de reposição nesta máquina de tritura sonhos e pessoas que é a vida gerenciada como se fosse uma corporação S/A.
Então como sair do lugar comum? Gritar ao mundo: Eu existo!!! Talvez não surta efeito, milhões de pessoas fazem isso todos os dias e acabam como sempre viveram: invisíveis. Nossos desejos em muitos casos refletem o desejo da sociedade de consumo, modelos estabelecidos que se não atingidos deixam um rastro de sensações que somos impotentes e derrotados.
Não acredito no fator sorte e acaso como tutores das nossas vidas. O que chamam de sorte ou acaso é tão somente o encontro de inúmeras ações quase sempre políticas que podem nos atingir com apenas duas “verdades”: inclusão ou exclusão.
Torna-se visível, ser reconhecido pela grandeza do próprio trabalho? O “não!” a isso tudo está intimamente ligado as nossas posições políticas. Não é só força de vontade ou dedicação aos estudos os norteadores de uma vida de sucesso. Lembrando ainda que sucesso é algo particular, cada um tem sua individual noção de sucesso.
Não há neutralidade, nossas ações são políticas, para o bem ou mal somos políticos. O problema é o quanto estamos dispostos a pagar para vivermos de um lado ou outro da moeda. O jogo político corrente e mais poderoso no país é o do individualismo. É o devorar até as sobras para nada deixar, matar, sufocar o que não se pode controlar.
Quero o decote da menina linda, alguns bons amigos para (viva Vinícius de Moraes!) continuar bebendo de bem com a vida, estar na paz do deus inventado nos meus momentos de dores, a paixão inesperada a bater em minha porta.
-Tudo bem, caro Ediney, também quero tudo isso, mas sim, como se tornar visível? Não me diga : “seja original”.
Originalidade? No momento em que tudo é toque e retoque, interessante é reproduzir, repensar?
Caro poeta, tenho minhas contas para pagar, deixa essa história de originalidade e ética para lá, em meio a tudo isso fico com o Raul Seixas: “se no buraco de rato você entra de rato você tem de transar”.
-Tá bom. Estamos cada vez mais tristes e comuns, embora com um riso sempre providencial nos lábios, riso no qual todas as mentiras tornam-se canções de ninar... Traga meu licor e uma cerveja... Essa noite não há Jesus, só Madalenas a sorriem para mim.
Vou me pintar das cores mais invisíveis possíveis, serei rei e lidamente nu nos braços gostosos de Madalena, matarei Cristo de ciúmes.
Algum filósofo grego, bêbado e safado diria: torna-te ti mesmo e serás visível ao menos em tuas paixões, deliciosas paixões de cristal e orvalho ao amanhecer, nisso tudo tens tua parte de visibilidade. Ninguém pode vencer para sempre com o mal.
ediney-santana@hotmail.com
http://edineysantana.zip.net/
Ps- Na foto amigo Josane Peer, você pode ouvir suas belas canções em http://palcomp3.com/josanepeer/ . Dedico para todos vocês a música “No meu quarto”





































Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…