Pular para o conteúdo principal

Honestidade

Como em um passe de mágica ruim pessoas se transformam em “atores” e já não se sabe quando involuntariamente somos transportados para um “teatro” de cretinas emoções ou estamos na presença de corações sinceros.
Honestidade rima com transparência, respeito a si mesmo e as emoções alheias. No mundo no qual o ter precede a essência e para se ter tudo é válido, o que sentimos, nossas virtudes são desrespeitadas diante o desejo criminoso da posse.
O resultado disso tudo são corações ilhados, cismas diante sorrisos que mesmo sugerindo espontaneidade e beleza nos apavora a possibilidade de ser tudo falso.
Nos tornamos forasteiros das nossas próprias emoções, uma vontade de abrir os braços e ter o mundo em nós, mas ao mesmo tempo nos ilhamos em nossa relativa segurança de não sermos coadjuvantes no palco medíocre de corações tão tristemente competentes em mentir e enganar.
Mas há ainda alegria de ser gente ou como cantou Caetano Veloso: “gente é outra alegria”. Desistir desta alegria de ser e viver gente é nos negar a participação no bem maior dessa nossa vida: o bem de em parceria construirmos nossa história.
Não há história que se construa sozinha, tudo passa por múltiplas leituras de quem somos e de quem buscamos ou encontramos pelo caminho, só somos se somos a soma de tantas outras criaturas da natureza.
Somos um saco ambulante de emoções, nos sacralizamos no bem ou mal da vida, são dois caminhos que por vezes seguimos involuntariamente, mas dor sempre dói, com perdão da aparente redundância, essa dor que dói é parceira aos nos colocar frente aos espelhos que reflete tudo que somos e sem piedade ou compaixão nos mostra todas nossas faces, faces divinas e outras demoníacas.
Nos encarar de frente, sem medo dos abismos ou das paixões fúteis é honestidade, saber que tudo é frágil ... Sobretudo nossas verdades, estar aberto ao tempo de sermos nessa alegria de sermos honestamente: gente!!!!
ediney-santana@hotmail.com
http://edineysantana.zip.net/
Texto escrito ao som da voz lindíssima de Marília Medalha em parceira com a poesia de Vinicius de Moraes.









Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…