Pular para o conteúdo principal

Nas coxas

Meu amigo Melo do blog http://afternonsense.blogspot.com/ me fez uma pergunta difícil de ser respondida sem algumas paixões: “Tudo aqui sempre será feito nas coxas?”.
A expressão “nas coxas” surgiu no Brasil colonial. As telhas para cobertura de casas tinham como moldes as coxas dos escravos, obviamente os escravos tinham estaturas diferentes, as telhas saíam de vários tamanhos e quando colocadas nos telhados nunca encaixavam direito.
Então “nas coxas” é algo mal feito, torto, como dizemos aqui na Bahia feito a “ facão”, improvisado, sem jeito, feito para enganar ou simplesmente para ser refeito como uma escola, embora bonitinha, erguida com material de 5ª.
Se refazendo em mediocridade o Brasil oficial, meu caro Melo, vai nos vampirizando, nos oferece felicidade nas coxas, segurança? Nas coxas? Respeito à diversidade? Nas coxas, educação? Nas coxas, código florestal? Nas coxas.
Quando os barões da cana de açúcar do nordeste migraram para o sul, levaram com eles educação em excelência, muita grana, indústrias, estruturas sociais e políticas mais progressistas. No nordeste ficou o flagelo social, o coronelismo, os crimes de mando, a truculência e um povo sociologicamente feito nas coxas.
O Brasil feito nas coxas ajudou a construir o Brasil que é apresentado aos olhos do mundo. Copacabana é a “Princesinha do Mar”, a Av. Paulista “ O coração financeiro do país”. Só para termos uma ideia em documento oficial do Ministério da cultura diz que 90% dos recursos para cultura do país ficam entre as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo e esse 90% é consumido por 3% de agentes culturais. Eu? Cidadão nas coxas.
E a pergunta do Melo: “será sempre assim?” Como escrevi essas mazelas são frutos do Brasil oficial, mas há um país que vai acertando suas coxas independente de ações oficiais, um país que produz cultura, se moderniza em ações sociais e políticas independente de governos, um país que reage a barbaria institucionalizada e esse país não aceita gozadas nas coxas.
Foram identificados em São Paulo cerca de dezessete grupos neonazistas, ou melhor, neo parasitas. Esses grupos dizem serem defensores de uma “raça” limpa, e para limpar a raça fazem cassadas aos gays, nordestinos, negros e deficientes físicos.
Na cidade que é o “motor” do Brasil, que se orgulha de ter a melhor polícia, judiciário, ministério público, o maior número de teatros, os melhores índices educacionais esses grupos neonazistas agem espancando e matando, a AV. Paulista se tornou palco de infâmias e desrespeito as pessoas.
E me digam, como uma estrutura jurídica e de polícia de um estado tão poderoso não consegue acabar com meia dúzia de moleques e covardes como esses neoparasitas? Estrutura oficial preconceituosa e covarde, estrutura nas coxas.
Sinto asco de um país no qual a depender o lugar que estejamos podemos ser mortos por causa do nosso sotaque, pela nossa sexualidade ou pela cor da nossa pele. País nas coxas. Pior que os neoparasitas é a benevolência com que são tratados pelo sistema judiciário do país, como um miserável que jogou dois adolescentes do metrô em São Paulo e está solto por conta de um haber corpos do STF.
Então, meu amigo Melo, para mim é isso, O Brasil oficial quer sempre nossas vidas nas coxas, mas o país paralelo segue firme e forte, o país que quer gozar dentro, abraçar, sem medo de pegar o vírus da estupidez e arrogância, o país livre das telhas fabricadas sobre medida para nunca nos proteger da chuva e incompetência presumida de seus ilustres senhores de engenho.
ediney-santana@hotmail.com
http://edineysantana.zip.net/
Escrito ao som de “Ladeira” de e com Neto Lobo e a Cacimba























Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…