Pular para o conteúdo principal

indelével solidão


Viver para si mesmo é um não viver. Quem andar pelas ruas e não ver nada a sua frente é um deserto humano, uma espécie triste de caricatura do que um dia foi gente.
O estar vivo é o estar em constante movimento na própria vida e na vida de todos que cruzam nosso caminho.
Se somos apenas marcas de consumo então não somos nada. Não vivemos, se beijamos e não sentimos emoção alguma não passamos de tristes figuras, ervilhas enlatadas para o consumo barato das nossas próprias insanidades emocionais.
Recuso-me ao vazio das relações, recuso-me a ser do frio a falta de cobertor, do aperto de mão o calor fingindo.
É mais que preciso cuidar dos direitos humanos e não nos retalharmos em gays, heteros, evangélicos, negos ou judeus e palestinos. A Única unidade possível e nos respeitarmos como pessoas, pessoas em tempo cidadão integral, fora disso é promiscuidade humana.
Nossa dor mais antiga é a dor que já nasce envelhecida, mas nunca morre, a dor da luta pelo cárcere de tudo que não nos corteja em rituais de servidão.
Assumo todas minhas contradições, sou mais pecado que santidades, posto isso me faz alegre o erro que não é auto-engano.
Tornamos o mundo refém das coisas visíveis, amamos tudo que nos parece belo sobre uma triste ótica de negação a diversidade.
Eu só tenho razão de ser porque você existe, sem você para quem viveria? Para minha própria sombra? Para a genialidade doente que só minha estupidez percebe? Só há razão se somos parte do todo que cada um representa na natureza.
Sentir medo de gente é um atestado de falência da nossa raça, me diz o quanto nossa raça se auto- desprezou e negou a si mesma ao nadar no pântano incivilizado da covardia sentimental.
Tenho andado só em demasia, meus melhores amigos não vivem mais em minha cidade, acordo todos os dias com a certeza de ter como companhia indelével a solidão, mas me recuso a me acostumar só em mim, me recuso negar a você o convite de juntos construirmos um mundo possível e alternativo a essa sombra que aprendemos a chamar de humanidade.
ediney-santana@hotmial.com
http://edineysantana.zip.net/
Ps- Escrito ao som de Anna Calvi, Blackout



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…