Pular para o conteúdo principal

Jornais, papéis e canções

Minha vida sempre esteve ligada de uma maneira ou outra aos jornais, não ao jornalismo. Jornais o objeto tátil feito para durar em muitos casos uma manhã, bem como também as canções, canções em que a palavra se impõe a música, música como segundo plano.
Saía pelas ruas de Santo Amaro gritando: Olha o jornal tenho Atarde e Tribuna! Até hoje quando vejo crianças vendendo jornais fico emocionado porque vejo nelas a criança que um dia fui.
Passava horas na Praça do Rosário com alguns amigos batucando canções da Legião Urbana, aquela prosa em canção era a  medida exata para todas nossas inquietações. Estávamos nos anos de 1990, claro sonhava mudar o mundo a começar pelo Centro Educacional Teodoro Sampaio, as canções da Legião eram o conforto ideal, união duas coisas que gosto: literatura e música.
Meu pai tinha um MotoRádio, como aquele velho rádio a pilha comecei a gostar de música. Ligado em estações AM as vozes ouvidas eram de: Frankito Lopes (o índio apaixonado), Paulo Sérgio, Sérgio Reis, Amado Batista, Barrerito e Trio Parada Dura e um monte de cantores que nunca se apresentavam na televisão, nem mesmo no programa Silvio Santos no qual tudo que não aparecesse na Globo nele teria lugar garantido nos dias de domingo.
Esses artistas foram a trilha sonora da minha infância. Todos tristes , sempre saudosos de um “amor perfeito”, porém impossível de ser vivido, herdei deles o gosto por melodias triste e canções saudosistas. Anos depois quando tocava em uma Banda, “Flor Marginal”, meus amigos diziam que era muito “Depré” e sem graça... Pobre Frankito Lopes, não há espaços para vozes delicadas e canções tristinhas de amores impossíveis.
A literatura me chegou pelos jornais que vendia, em especial pelo Caderno 2 do Atarde e é claro pelas revistinhas de Maurício de Souza, Chico Bento e sua turma, adorava Penadinho e seus amigos cemitérianos.
Tudo isso misturado foi ajudando a formar minha personalidade, às vezes afetiva em demasia e outras extremamente retraída como as canções pesarosas do Paulo Sérgio. Os heróis cantores da minha infância eram trágicos, exagerados, alguns biriteiros, noturnos e criativos quando o assunto era cantar suas tragédias sentimentais.
Hoje tenho um blog, jornal virtual. Como na minha infância “vendo” notícias, com a venda de jornais ganhava R$ 15 centavos por cada um vendido, no blog ganho alguns comentários. Escrevo minhas alegrias e angústias pessoais. Reflito para, além disso, falo do mundo como o vejo e sinto.
Espero que o blogspot nunca acabe, é uma boa ideia. Se acabar que seus arquivos não sejam apagados, aqui é um museu- biblioteca na qual parte considerável da humanidade pode deixar suas marcas, pode fazer parte da história cultural, tirando de alguns gênios a exclusividade de falar ao futuro. Aqui cada pessoa pode deixar um registro mais exato de suas emoções e paixões.
A internet faz o papel hoje das rádios AM, mostra para todo mundo os que não tocam na TV e nem sai nos jornais do sistema informativo oficializado. O Brasil se revela em suas grandezas, na simplicidade do seu povo e, sobretudo no melhor que temos: o espírito de um povo a se reinventar sempre nos abraços dados, no amor conquistado, na alegria de ser sempre o país que se iguala em seus contrastes.
ediney-santana@hotmail.com
http://edineysantana.zip.net/
Escrito ao som de “Love is many splendored thing", com Franck Pourcel













Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…