Pular para o conteúdo principal

Amores com Hieronymus Bosch

Canibais que trago em mim são fragmentos de antigos amores insepultos ao sol poente. Há no calor de vossa língua mil formigas enamoradas do meu sangue mel em dores.
Tudo que te ofereço é desassossego: amor. Palpitações e suores inundarão teu coração em desassossego.
Se "chama" o amor que da cama vossa me terás em tortura, vampirizo gota a gota o sêmen que abortará o de mim renascido no submundo dos teus medos. 
 Com teus cabelos farei papel carbono ao céu negro copiar o luar destilados dos meus olhos.
Mergulho no vosso corpo quente. Bebo em vinho a delícia do teu umbigo untado pela seiva da minha alegria canibal.
Em que deitas a cama fria dos encontros? Ferve ao horizonte duas mil víboras, foram nossos sonhos mais que estúpidos. De te fiz ninho para minhas inquietações, fiquei grávido de escorpiões siameses, do amor que tu me deste  vidro o fiz beber. Sopro ao vento do amor melhor por ti pólen livre quando em por nós prisão e suicídio.
Mas você é tão linda, tem meu sexo tatuado em teu corpo, a flor mais bonita da minha rua... Minha alma dragão da lua bebe do teu sangue e colhe urtigas nas estrelas. Quem me dera o soluço, um abraço ao menos infeliz no lugar desse silêncio absoluto.
Vago a contar conchinhas quando do mar me invade todo o sol. Nada é por maldade, mas o mal é sempre mais gostoso quando nos outros faz febre nunca amor. Devoro em pequenas alegrias toda vaga beleza desses risos em clara dormência. Disseram: você tem alma e uma luz brilha no olhar... Mergulho no éter, só o éter salva, o éter é o que sempre foi, o que nunca existiu. O éter é o que fez da morte anjinho humilhado.
Nosso amor é canção que sempre desafina. Não! Eu desafino, translucidamente desafino em cada por do sol congelado em meu orgasmo constante.
Não tenho medo da perda, mas me apavoram meias conquistas. Abrir minha barriga a golpes de canivetes: areia, sal, meus incensos indianos, uma cobra de três cabeças, libélulas sertanejas a dizer “amo você como a filmes de Almodóvar” e um padre exorcizando deus de mim.
Pausa para o café: ácido e baunilha, não esquecer uma gota de lágrima, só uma, mas que seja sincera como porcos em um chiqueiro.
Hoje fui à praia, chuvia... Dois caranguejos carregam cadáveres de baleias, eram pobres e infelizes baleias, havia marcas de dentes humanos, uma delas me lembrou um anjinho Barroco e suas asas de nunca céu.
Veio vento forte, ondas enormes, tudo cantava para mim, então entendi meu latifúndio naquele mar, um Severino a morrer afogado entre canções e águas vivas.
Acordei, sentei na cama, plantei ao concreto d’ alma três ervas cidreiras e um pedido: Rosas brancas, biscoitos e um dia sem dores de estômago.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@hotmail.com
 Ps- A obra que ilustra este texto é de Hieronymus Bosch. Um alguém que humildemente eu gostaria de ser.
 Ps- Escrito ao som de "Paixão"  com Kleiton & Kledir








































Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…