Pular para o conteúdo principal

Amores com Hieronymus Bosch

Canibais que trago em mim são fragmentos de antigos amores insepultos ao sol poente. Há no calor de vossa língua mil formigas enamoradas do meu sangue mel em dores.
Tudo que te ofereço é desassossego: amor. Palpitações e suores inundarão teu coração em desassossego.
Se "chama" o amor que da cama vossa me terás em tortura, vampirizo gota a gota o sêmen que abortará o de mim renascido no submundo dos teus medos. 
 Com teus cabelos farei papel carbono ao céu negro copiar o luar destilados dos meus olhos.
Mergulho no vosso corpo quente. Bebo em vinho a delícia do teu umbigo untado pela seiva da minha alegria canibal.
Em que deitas a cama fria dos encontros? Ferve ao horizonte duas mil víboras, foram nossos sonhos mais que estúpidos. De te fiz ninho para minhas inquietações, fiquei grávido de escorpiões siameses, do amor que tu me deste  vidro o fiz beber. Sopro ao vento do amor melhor por ti pólen livre quando em por nós prisão e suicídio.
Mas você é tão linda, tem meu sexo tatuado em teu corpo, a flor mais bonita da minha rua... Minha alma dragão da lua bebe do teu sangue e colhe urtigas nas estrelas. Quem me dera o soluço, um abraço ao menos infeliz no lugar desse silêncio absoluto.
Vago a contar conchinhas quando do mar me invade todo o sol. Nada é por maldade, mas o mal é sempre mais gostoso quando nos outros faz febre nunca amor. Devoro em pequenas alegrias toda vaga beleza desses risos em clara dormência. Disseram: você tem alma e uma luz brilha no olhar... Mergulho no éter, só o éter salva, o éter é o que sempre foi, o que nunca existiu. O éter é o que fez da morte anjinho humilhado.
Nosso amor é canção que sempre desafina. Não! Eu desafino, translucidamente desafino em cada por do sol congelado em meu orgasmo constante.
Não tenho medo da perda, mas me apavoram meias conquistas. Abrir minha barriga a golpes de canivetes: areia, sal, meus incensos indianos, uma cobra de três cabeças, libélulas sertanejas a dizer “amo você como a filmes de Almodóvar” e um padre exorcizando deus de mim.
Pausa para o café: ácido e baunilha, não esquecer uma gota de lágrima, só uma, mas que seja sincera como porcos em um chiqueiro.
Hoje fui à praia, chuvia... Dois caranguejos carregam cadáveres de baleias, eram pobres e infelizes baleias, havia marcas de dentes humanos, uma delas me lembrou um anjinho Barroco e suas asas de nunca céu.
Veio vento forte, ondas enormes, tudo cantava para mim, então entendi meu latifúndio naquele mar, um Severino a morrer afogado entre canções e águas vivas.
Acordei, sentei na cama, plantei ao concreto d’ alma três ervas cidreiras e um pedido: Rosas brancas, biscoitos e um dia sem dores de estômago.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@hotmail.com
 Ps- A obra que ilustra este texto é de Hieronymus Bosch. Um alguém que humildemente eu gostaria de ser.
 Ps- Escrito ao som de "Paixão"  com Kleiton & Kledir








































Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…