Pular para o conteúdo principal

As lembranças

Augusto Frederico Schmidt foi o responsável por publicar inéditos escritores como Jorge Amado, Gilberto Freyre, Rachel de Queiroz e Graciliano Ramos. Pelos nomes já sabemos a importância do “Gordinho Sinistro”, como era chamado, para a renovação da literatura brasileira. No tempo em que havia esquerda e direita Schmidt publicara escritores de esquerda embora ele fosse de direita até a medula.
Por outro lado os nossos geniais escritores esquerdistas não abriram mão da ajuda capitalista do “Gordinho Sinistro” e  nebulosas relações com o poder para publicarem suas obras, ainda bem.
Perto de morrer Schmidt disse, uma frase eternizada pela sua beleza e desprendimento com sua vida grandiosa e de sucesso: “Quem contará as pequenas histórias”. Não foi uma pergunta, era pura lamentação.
Estava preocupado nosso magistral editor e poeta de versos prosaicos com a história a margem da oficialidade, pequenas coisas do cotidiano, seus bilhetes trocados nas eternas noitadas, dos seus livros com dedicatória, fotografias de viagem, fotos que guardavam histórias de uma vida não registrada pelo aparente eterno glamour que foi sua existência.
Quais são suas pequenas histórias? Seus momentos de lirismo pessoal? Os dias inesquecíveis guardados em lembranças no fundo de um velho baú? Minhas pequenas lembranças estão guardadas no delicado das minhas lembranças e em uma mala cheia de recordações que só tem sentido para mim e talvez para quem as compartilharam comigo.
Na crônica “Herança de papel” publicada no livro Trem-Bala de Martha Medeiros, a autora nos diz que: “Lembranças não se herdam, vão para o túmulo com a gente”. Pequenas histórias guardadas em muitos casos no cantinho mais doce das nossas recordações, algo que só de lembrarmos faz dos nossos olhos arco-íris em cores vivas e afoga nosso espírito na paz delicada de uma confortável nostalgia.
Pequenas histórias que nasceram e talvez desapareçam conosco também, pequenas emoções cotidianas repletas de simbolismos: um papel de bombom guardado a contar a história de um emocionante encontro, uma rua a guardar para sempre lembranças do primeiro beijo... As lembranças.
Lembrar, guardar histórias não é fechar-se ao momento presente, é olhar para trás e sabermos o quanto vivemos e amamos. Pessoas comuns, como eu, talvez nunca tenham suas vidas contadas em filmes ou biografias, pessoas simples vivem e só. Viver é o só que é tudo, fazer parte do coletivo, sabermos ao menos que nas nossas malas e diários somos autores de uma individualidade que chamamos de vida, nossas vidas repletas de pequenas histórias que quem sabe um dia serão contadas.
Ps- sem trilha sonora

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…