Pular para o conteúdo principal

As lembranças

Augusto Frederico Schmidt foi o responsável por publicar inéditos escritores como Jorge Amado, Gilberto Freyre, Rachel de Queiroz e Graciliano Ramos. Pelos nomes já sabemos a importância do “Gordinho Sinistro”, como era chamado, para a renovação da literatura brasileira. No tempo em que havia esquerda e direita Schmidt publicara escritores de esquerda embora ele fosse de direita até a medula.
Por outro lado os nossos geniais escritores esquerdistas não abriram mão da ajuda capitalista do “Gordinho Sinistro” e  nebulosas relações com o poder para publicarem suas obras, ainda bem.
Perto de morrer Schmidt disse, uma frase eternizada pela sua beleza e desprendimento com sua vida grandiosa e de sucesso: “Quem contará as pequenas histórias”. Não foi uma pergunta, era pura lamentação.
Estava preocupado nosso magistral editor e poeta de versos prosaicos com a história a margem da oficialidade, pequenas coisas do cotidiano, seus bilhetes trocados nas eternas noitadas, dos seus livros com dedicatória, fotografias de viagem, fotos que guardavam histórias de uma vida não registrada pelo aparente eterno glamour que foi sua existência.
Quais são suas pequenas histórias? Seus momentos de lirismo pessoal? Os dias inesquecíveis guardados em lembranças no fundo de um velho baú? Minhas pequenas lembranças estão guardadas no delicado das minhas lembranças e em uma mala cheia de recordações que só tem sentido para mim e talvez para quem as compartilharam comigo.
Na crônica “Herança de papel” publicada no livro Trem-Bala de Martha Medeiros, a autora nos diz que: “Lembranças não se herdam, vão para o túmulo com a gente”. Pequenas histórias guardadas em muitos casos no cantinho mais doce das nossas recordações, algo que só de lembrarmos faz dos nossos olhos arco-íris em cores vivas e afoga nosso espírito na paz delicada de uma confortável nostalgia.
Pequenas histórias que nasceram e talvez desapareçam conosco também, pequenas emoções cotidianas repletas de simbolismos: um papel de bombom guardado a contar a história de um emocionante encontro, uma rua a guardar para sempre lembranças do primeiro beijo... As lembranças.
Lembrar, guardar histórias não é fechar-se ao momento presente, é olhar para trás e sabermos o quanto vivemos e amamos. Pessoas comuns, como eu, talvez nunca tenham suas vidas contadas em filmes ou biografias, pessoas simples vivem e só. Viver é o só que é tudo, fazer parte do coletivo, sabermos ao menos que nas nossas malas e diários somos autores de uma individualidade que chamamos de vida, nossas vidas repletas de pequenas histórias que quem sabe um dia serão contadas.
Ps- sem trilha sonora

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…