Pular para o conteúdo principal

"Boys Don't Cry"

Todos nós em algum momento da vida nos sentimos sós, fragilizados ou humilhados. Pouco importa se você for rico ou pobre, branco ou negro. As leis da natureza desconhecem questões sociais.
Se a sociedade nos separa a natureza nos une e não raro o instrumento usado para isso é a dor. Pode ser uma dor física ou emocional. Se física temos a possibilidade mais rápido de “cura”, mas se for emocional o estrago é bem maior.
Um amigo meu que sofre de depressão há anos, me pediu que fosse com ele a uma clínica especializada em tratar todos os tipos de distúrbios emocionais. Na clínica encontrei juízes, jovens professores, policiais, desempregados, estudantes e até crianças todos unidos por um drama: a depressão.
Gente que pouco a pouco foi naufragando em uma das doenças mais terríveis da nossa época: a depressão. Uma doença perigosa que chega devagarzinho e se apossa da “alma” e vida das pessoas, a depressão é uma doença semântica.
A depressão é fruto dessa nossa época de incertezas emocionais, claro ela existe há tempos, mas talvez em nenhuma época ela encontrou terreno tão fértil quanto agora. Um tempo no qual nada tem de sentido objetivo, tudo parece fora da ordem ou do lugar e principalmente: para o deprimido é ele e não o mundo a desordem, o estado deprimido de si e do viver que carece de sentido objetivo para um coração a arder em paixões irreais e não menos doloridas.
Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) no Brasil já se consome mais ansiolíticos que remédios para dor de cabeça. Um país que se deprime, é o que é o Brasil? Um lugar no qual os valores são invertidos, um país com cruéis índices de violência, um lugar no qual a exclusão social é quase uma instituição oficial.
O “estar” deprimido é um voltar-se para si mesmo sem razões para no mundo desejar o viver, o estado de vida do deprimido é a ausência de si para consigo mesmo em harmonia com um litígio perigoso com a vida. Ficar impotente diante a própria existência tem levado cada vez mais pessoas a um encontro melancólico com suas supostas impotências e consequentemente com a depressão.
Os livros mais vendidos no mundo são os livros de autoajuda, cresce assustadoramente o número de seitas religiosas, dizem ter a cura para nossos males “espirituais”, tenta-se curar alcoolismo e dependência de narcóticos com a Bíblia, tudo isso pode em determinado momento ter algum efeito positivo, mas pouco eficiente se as pessoas não tiverem apoio médico e psicológico. Aqui outra tragédia: pessoas pobres deprimidas não contam com clinicas públicas, nem mesmo postos de saúde e acabam a mercê de estelionatários e curandeiros.
A depressão tem sim raízes também sociais. As desigualdades sociais cada vez mais têm fragilizado nossa capacidade de reação diante ao horror e flagelo emocional criado pela ganância, truculência nas relações de poder e ouvidos fechados para o desespero que não está em si, estamos nos silenciando diante nossas próprias desgraças.
Quando se perde a capacidade de se emocionar de lidar com a dor, de sentir-se capaz de reagir diante as barreiras naturais ou impostas pode ser o começo de um despencar neste limbo terrível que é a depressão.
Tristeza não é depressão, tristeza é algo passageiro, depressão é uma dor continuada, um vazio que vai devorando a tudo, pode-se ser deprimido e viver sorrindo, aparentemente feliz. Depressão não é uma falta momentânea de animo ou preguiça, não é covardia ou medo de enfrentar a vida, depressão não é frescura: depressão é doença e como tal dever ser encarada e tratada.
A depressão pode levar alguém a se viciar em drogas, bebidas ou até mesmo em sexo, comer exageradamente, depressão pode levar ao suicídio.
A palavra “amigo” é quase tão somente um verbete no dicionário, fomos transformados em números e índices, somos cada vez mais corações ilhas, ásperos e arredios. Se nada mudar morreremos dentro dos nossos palácios de latão e zinco, dentro dos nossos carros parados no eterno engarrafamento da mediocridade que transformamos nossas vidas.
Mas somos ainda gente, e ser gente nos abre um mundo de possibilidade. Possibilidades de carinho, de amor, amizade, de paz em espírito. Buscar ajuda e informação ainda é o único caminho confiável. A depressão pode ser uma contradição do espírito, mas você pode ser contraventor na ordem estabelecida e se não no mundo, mas ou menos em você fazer a vida ser bem melhor.
http://edineysantana2.blogspot.com
Ps- Escrito ao som da Bandinha de Pífano de Caruaru

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…