Pular para o conteúdo principal

Letícia Palmeira: Encruzilhada de emoções

Certa vez minha amiga Renata Luciana, autora do delicado blog de poesias “Estado de Entrega”, indicou para leitura outro blog, “Afeto Literário”, escrito por Letícia Palmeira.  Lá fui eu conhecer as afeições literárias da Letícia, sabedor do requinte literário da Renata não fiquei temeroso de me decepcionar.
Letícia Palmeira é autora de dois livros de crônicas o primeiro “Artesã de Ilusórios” publicado pela Editora Universitária UFBP – 2009 e o segundo “Sinfônica Adulterada” lançado recentemente pela Editora Multifoco.
Infelizmente ainda não li nenhum dos dois livros citados aqui, o que não diminui meu entusiasmo pela leitura dos textos da Letícia que estão no seu blog, leitura densa com raízes em muitas terras, por vezes áridas outras doces e suaves.
A natureza humana é descortinada por um narrador que pode ser qualquer pessoa, homem ou mulher às voltas com um mundo em permanente des+construção. Da aridez das emoções brota também o ser que não se rende e re-afirma suas emoções diante o caos estabelecido em doloridos relacionamentos.
O texto de Letícia em muitos momentos me remete as artes plásticas e quase sempre me vem na memória uma paixão minha, Hieronymus Bosch, pintor holandês nascido em 1450. De traços fortes e marcantes Hieronymus Bosch utilizava sua pintura para expor sem complacência as nebulosas relações entre o poder religioso e político na vida do homem medieval.
Claro que a comparação que faço entre a palavra literária de Letícia Palmeira e a pintura de Hieronymus Bosch se realiza no plano da estética, na capacidade de ambos criarem imagens desconcertantes, o mundo medieval de Hieronymus não se encontra com o mundo de hoje da Letícia, mas se completam na facilidade pictórica- literária de criar e seduzir pelas imagens.
E é justamente a sequência de imagem alinhavada por uma sutil musicalidade que faz da literatura de Letícia Palmeira algo prazeroso e que nos remete a boa tradição literária do nosso país, remete a tradição em criatividade e inventividade no que a soma dessas coisas podem ter de mais significativo.
Lembrando que o caminho literário percorrido por Letícia é a crônica, estilo literário surgido nas redações de jornais, criado para perpetuar o texto jornalístico a crônica se tornou uma das grandes expressões artísticas das nossas letras, hoje se aproxima muito do conto e flerta sem pudores com a poesia, criando outro estilo tipicamente brasileiro: a prosa poética, razão de ser da literatura de Letícia Palmeira.
A dor de sentir, a febre sentida inutilmente por quem nosso corpo e coração insistem em amar, nossas fragilidades diante os absurdos da vida, cores, muitas cores, fome, fome de viver, ser feliz, alegria, sensualidade, esperança, leituras entrecortadas, nomadismos cigano com as palavras, poesia, muita poesia, fragilidades expostas, comoção, beleza e estética própria. Tudo isso tempera a literatura de Letícia Palmeira e aqui fica a sugestão de leitura nesta Sinfônica Adulterada e não menos harmoniosa.













Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…