Pular para o conteúdo principal

“A casa do lago”

Cena do filme A Casa do Lago
Escrevi todas as noites cartas datadas sempre dez anos à frente, assim quando contigo não estiver terás a sensação que nunca te deixei. Hoje estou a escrever em 20 de agosto de 2021. Chove, todos em minha casa estão em crise, é quase setembro, decidi plantar flores no meu pequeno quintal.
Guarda contigo nossas lembranças, nossas cartas, teu livro sempre prometido, o amor sempre promessa velada nas entrelinhas das desconfianças, mas não façamos disso um monumento ao passado, passado algum merece a alegria do presente.
Gostaria de saber dirigir, sair ao anoitecer, ir até a Paraíba encontrar o saudoso poeta, dirigir sobre essa chuva triste, ouvir Carla Bruni, sonhar com teu abraço quente, abraço nunca dado. O idealizado dói pelo limbo das emoções que é erguido. Não é o mal, mas sim o bem que machuca por não ter sido, o bem que não acontece dói mais que o mal.
Às vezes penso que já morri, tudo não existe em cores, há apenas uma única cor dessa ausência das coisas essenciais.
Estou lendo “Razão e Sensibilidade” de Jane Austen e você o que anda a ler? Vivo esses dias distantes do tempo no qual deveria deixar minhas emoções fluírem, meio passado, meio futuro, preciosas inexatidões, só tenho tempo feliz quando sou parte do seu tempo que afinal não existe.
Não quero me perder no seu ontem, nem tão pouco te convido para o meu presente, sou antigo e datado, museu sem visitas, livro sem leitura, imagens repetidas de uma literatura comum, vida rasa. Canções dos anos cinquenta ainda me emocionam.
Ter deixado de beber é um saco, encarar a sangue frio os dias é criar no coração serpentes, todo homem necessita de um vício como tua voz grave cheia de inquietudes. Teu uísque solitário na madrugada fantasia embriagues que já não tenho
Faço poemas comuns, poeta saudoso na prosa desses dias comuns, dane-se a razão e a sensibilidade, cada um é o melhor e o pior de si, não busco excelência em nada, vivo, apenas vivo minha curta vida, desta casa as margens do rio escrevo ao futuro, ao menos alguém saberá qual caminho não deve seguir se quiser ser feliz.









Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…