Pular para o conteúdo principal

Coração poeta*

Foto: Ségio Damião
Poetas trazem escorpiões no coração e borboletas na língua, amam o impossível, brincam com o improvável, ter de si dores que talvez nem as sintam de verdade.
Corações poetas trazem o mundo para  seus quartos, acham que suas dores são  maiores que as dores da língua terminal de um compositor de música popular.
A poesia está no cotidiano, na palavra simples do homem sentado a vender cafezinho, na cama imunda de um motel barato, no sexo oral gostoso, na chuva preguiçosa, no vandalismo de um discurso político.
O romantismo ainda versa na maioria dos corações poetas do país, corações ébrios demais, se sentem inclassificáveis, vítimas do sistema, degredados em sua própria língua, foge de definições, mas se prendem a tristes emoções do século retrasado.
Corações poetas são dados a amantes de todas as horas, vadios, inescrupulosos. Nenhuma arte é mais perversa que a poesia, se reconhece um tolo ao primeiro verso escrito entre o grotesco verbo e a palavra poética que se pretendia dizer.
Poetas brasileiros cometem, em geral, o erro da auto- complacência quando não da auto - divinização. Deveriam andar pela sujeira das ruas: respirar a comédia das horas. Poetas brasileiros são fodas, batalham publicam seus livros,fazem sarau, se perdem em corações amantes e voltam para casa ainda sedentos de suas esposas e maridos.
Muitos poetas foram mortos durante a ditadura militar, mas ficaram celebres apenas os compositores de música popular, poesias ao túmulo da história, flores inanimadas dos dias em que a brutalidade era uma única e estúpida voz.
País tacanho que chama letrista de música de poetas e poetas de loucos, sonhadores, desocupados,vadios ou pior de poetinhas.
Sobre corações poetas nascem flores e amoras, lixo e amores em decomposição, orgulho, nascem gritos e silêncio. A palavra e é ela que tem sobre tudo a sedução maior. Palavra.
Escrever o mundo possível, criar o que poderia ser mais nunca é, revelar-se por dentro mundo escorregadio, planta carnívora, balé de madeira, ritual de medo, êxtase e introspecção.
Poetas e seus corações são das liberdades, da fumaça nuvem, arco-íris em utada cores nos olhos da profunda liberdade, corações poetas são seres das emoções, da vida por vezes celebrante morte.
Nossas vidas ficariam insuportáveis sem a poesia cotidiana, essa poesia da fumaça dos automóveis, das carroças puxadas por burrinhos entre carros, a poesia da vida e da morte, das ambulâncias em alta velocidade, das mãos nos parques.
Corações poetas são ótimos leitores, não há poetas sem leituras, livros como pão... Há poetas das multidões, ensimesmados, políticos, alienados no vazio de suas dores de corno, líricos da vaidade, sujos de realidade, sabedores e ignorantes do tempo e todos são tratados na indigestão social da prosa de cada dia.
Poetas brasileiros versam muito sobre si mesmos, sentem dificuldades de ir além de suas rotinas e geralmente quando o fazem perdem a poesia e mergulham em filosofias de botecos.
Corações poetas têm em si toda maldade dos anjos e a tirania das vaginas que a tudo come, tudo devora, tudo parem.
O encanto é verso livre, sonetos da ordem terceira da putaria, igreja de toda cristandade, a palavra tudo pode naquilo que fortalece, poetas tolos, ébrios, vagos, maravilhosos e insensatos, palavra como altar, seios da linda morena na minha boca, língua como prisão voluntária, pernas que se abrem, prazer destilado e carne e suor.
Corações poetas são mais palavras que ação, sentido , rua direita torta, labirinto, seduzir e não trepar, ajoelhar e nunca rezar,todos os dias às seis horas da tarde todo o tempo para quem sabe da palavra, terços e versos a nos crer livres.
* Na foto, da esquerda para direita: Dum, Jorge Boris, Herculano Neto e Eu.












Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…