Pular para o conteúdo principal

Fica comigo...

Se os relacionamentos fossem sexo bom, companheirismo, solidariedade e vivências individuais, mas não intolerantes com o parceiro, muitos amores teriam tempo para namorar a eternidade.
Porém, no nosso mundo prático, prático também é a falta de paciência para maturação, tudo é prá já. Tempo de viver novas experiências pode ser o tempo de não viver nada, corações protocolados em operações sentimentais S/A. Sociedade do medo com capital aberto a intolerância.
A pele, o toque... Tudo se confunde com a roupa da moda que antes do verão chegar será esquecida em um canto qualquer de um velho baú sem emoções. Quem vai parar um instante para ouvir do outro uma tristeza, inquietações, aflitas buscas por atenção, um pedido de colo em plena segunda-feira?
É mais fácil embalar tudo e despachar de férias para a China, trocar o afeto por um casaco de lã curtido do couro de uma pobre foca. O material substitui o espiritual. Circo armado: a grande festa da farsa colorida vai começar, sim podemos ser tristes, frios e coloridos como palhaços esquimós.
A cama se transforma no fronte e a batalha é desigual de quem mendiga por atenção, e o medo desse desconhecido deitado ao nosso lado nunca vai nos deixar portas abertas para um encontro com nós mesmo e com um amor que seja antes de tudo parceiro nesta vida.
Ninguém é vida de ninguém, mas enquanto juntos todo mundo pode ser antes de amantes, amigos, companheiros.
Nada mais fim de caso que depois do sexo virar o rosto e dormir como um porco saciado pela ração costumeira, gente não nasceu para isso, gente nasceu para depois do sexo ter a calma e certeza que ali naquela cama há energias e histórias para mais mil e uma noites maravilhosas de doação mutua.
Temperar o relacionamento sempre, ter agrião, molho de tomate, livros de Jorge Amado, pitadas de inesperadas sacanagens, carinhos escondidos por debaixo da mesa do restaurante e coragem para dizer não se o outro insistir em por na mesa seu coração Groelândia, ou seja, bonito, mas frio.
Ter vida em comum é o mistério de não ter mistério, é revelar-se sem perder a individualidade, é caminhar junto, mas nunca carregar um nas costas do outro, é ter a elegância de retardar o gozo e esperar pelo outro, descobri que na velhice também há beleza, que o tempo não tem o poder de esfriar nada, mas a rotina servida sempre na mesma hora tem.
A emoção de se permitir a paixão, ver na alegria de outro alguém a própria alegria refletida, saber que se cairmos alguém ao nosso lado nos dará sua mão solidária, amor incondicional, mas nunca desprovido de razão.
Enquanto isso: casamentos navios negreiros, maridos que estão mais para capitães do mato ou sócios de loja de departamento, no lugar do afeto e carinho levam para casa mil bugigangas, dão um beijo na testa e dizem: durma bem querida e sonha alegremente com a amante que acabara de deixar em casa, namorados tarados por carrões e futebol tratam as meninas como sorveis de suas machezas mórbidas.
Escrevo cartas e as lanço ao mar, em alguma ilha meu grande amor a esperar por mim, farei sinais de fogo, decifrarei mapas nas nuvens, deixarei minhas mãos na sorte de ciganas. Quando abrir a porta pela manhã meus olhos estarão nos olhos que serão sempre meus se sempre formos da emoção, amor como companheirismo e solidariedade.




































Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…