Pular para o conteúdo principal

Flor Marginal

Não sei ser comadre, quer dizer compadre, achar tudo no outro bonito, sou sincero, mas não grosso, falo o que penso, exponho razões com a delicadeza sempre possível para não ferir pessoa alguma, tão pouco sou do tipo “espelho espelho meu” para em nada achar elegância ou criatividade, longe disso, no entanto não somos a beleza das emoções o tempo todo, às vezes somos a tristeza sem elegância dessas mesmas emoções.
Sei o quanto a grana, talento ou posição social torna tudo mais bonito e aceitável, assim um áspero e egocêntrico John Lennon foi alçado a gênio da paz pela eternidade e suas arrogâncias transformadas em “excentricidades”, assim uma pessoa chata, viciada em auto- complacência, mas cheia de grana ou talentosa é transformada em uma alma “inquieta” e sensivelmente “sedutora”.
Lennon foi um maravilhoso músico, cantou a paz e o amor, mas era grosso e arrogante, em um documentário sobre os Beatles deixa sua primeira esposa na estação de trem e segue viagem como a preocupação de quem jogou um chiclete chupado na cesta do lixo, como qualquer machista ignora a mulher como mulher e busca a fêmea tão somente a fêmea que encontrou por fim no fantasma-mulher de Yoko.
Os Beatles eram geniais, separados eram pessoas comuns de gosto e talento duvidoso, a magia só aconteceu quando eram um só corpo, uma só voz.
Machos disfarçados de homens humilham e agridem mulheres, mulheres que se permitem serem cafetinas das próprias dores e princesas dos corações em amor de vidro, mas todos estão felizes o mundo ainda vai demorar a lhes mostrar que estão nus.
Desejo ter grana, viveria melhor, se é para passar perrengues que seja com o bolso cheio de grana, mas vejo a infelicidade de muitas pessoas economicamente estabilizada, vivem cercadas de abutres, muitas nuas como um rei vaidoso, mas neste caso até a criança está corrompida e não vai lhe dizer a verdade: estás nua.
Há certa urgência para se estar em algum lugar, para ter súditos, súditos que sejam presumidamente cegos as nossas favelas internas, nossas almas concentradas na ilusão de que o céu somos nós e deus nosso fiel serviçal, enquanto do lado menos irreal da vida o cinema continua preto e branco, mas sem a poesia de Carlitos.
Sentado aqui bebendo meu Cantina da Serra, ouvindo a Tempestade, penso o quanto potencializamos as ilusões de uma vida que por si só já é ilusória, uma vida que já nasce para a destruição, poderíamos torná-las mais leve, suave, sincera, mas desgraçadamente este é o tempo da alma Credicard, do deus Bradesco capitalizando nossas emoções, dos elogios sem sentindo, da fome pelo consumo de si mesmo, da necessidade de se estar em evidência quando corpos e mentes estão flagelados na solidão e angústia.
Não se busca amigos, seu busca ventríloquos a nos aplaudir como pangarés de circo, a inteligência e cultura não nascem para servir, nasce para aprisionar e humilhar, renascemos em um apaixonante mundo digital e virtual, que estranhamente nos leva direto para a Idade Média, Santa Inquisição dos nossos dias sem nenhum Michelangelo para nos pintar o Renascimento.







Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…