Pular para o conteúdo principal

O beijo

Gosto de beijar, mais que isso, gosto de beijos que nos remetem a sono bom, aquele estar na boca de alguém como se tateássemos nuvens. O beijar é por si só algo que nos traz o conforto de um canibalismo civilizado.
Roçar de línguas nas múltiplas variações possíveis das nossas taras. O dizer tudo, em silêncio escrever imprevisíveis histórias de afetos, sugar energia e na carência absorver incertezas matinais de uma língua estranha a acordar na boca posta em desejo.
Gosto de adormecer em línguas vadias encontradas pelas esquinas em sábados bêbados e decadentes. Sinto falta de bocas solidárias quando acordo na ressacar de ser quem sou, bocas e dentes postiços juram eternas mentiras de amor.
Beijo falso como dias de carnaval na Bahia, sexo sem beijo, melhor masturbação. Beijo que começa e que nos alerta do fim, gosto de ser beijado por quem me faz sorvete de baunilha e chupa-me na leveza de um tiro a queimar roupa.
Beijar é abrir as portas, mas não necessariamente o coração, coração é boca que quase ninguém beija. Beijo gentil e tímido de noiva em altar sem santidades, beijos das meninas da Praça da Sé, corpos cansados, lágrimas roubadas de alguma emoção vadia.
Gosto de beijar inocentes bocas, dessas incivilizadas e por isso mesmo ainda guardam a paixão na ponta da língua, beijos nas horas vagas de poesia, pão e poesia no escuro da boca, boca boceta que também adoro beijar.
Não há imagem mais lindo: primeiro beijo, beijo tarado na boca que se faz boceta, do amor a se materializar no toque, do ter que vai além da quarta-feira de cinzas, beijar é ter de si o mundo do outro: boca, alma a escorrer pela saliva.
Beijar morangos, serpenteia águas telúricas na língua a valsar balé carne e trincar de dentes, beijo convite ao corpo explicitamente gostoso. Língua é palavra úmida, ternura sincronizada com o desassossego do coração.
Gosto do beijo com a emoção do sal e o mistério do mar. Beijo silenciosamente comovente, sem dizer estar em tudo, beijo sangue e espírito, espuma de sabão, hortelã e menta. Beijo a roubar pela língua algum coração desavisado, beijo assim minha saliva na tua, meu calor na tua boca na qual minha nudez começa.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br



















Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…