Pular para o conteúdo principal

Palavra é foda!!!

Minha mãe sempre diz que peixe morre é pela boca, mas come também e como come. Tenho observado a carência das pessoas, como meia dúzia de palavras ou um poeminha seboso faz com que muita gente entregue o cartão do banco com senha ou pule de uma ponte para provar que ama o dito ou a dita cuja.
Cruz credo. O mesmo e velho canalha de sempre jura que ama os pobres e oprimidos, desde que eles continuem pobres e oprimidos, é o herói do povo, o povão não resiste a uma boa cafungada na orelha, nada como mentir com elegância.
Mentira, tenho certeza que ouvir mentiras é tão viciante quanto contá-las. Manuel Bandeira um dos poucos poetas brasileiros já dizia há quase um século: dane-se o lirismo com hora marcada, que estava farto do comodismo e das palavras certas nas horas sempre “incertas”.
Manuel Bandeira estava certo.
Quero as palavras erradas nas horas erradas, ninguém entende mais de mim que eu mesmo e há quem busque em tuberculosos corações entender suas próprias dores, gente doente, gente perigosa.
Quero a alegria dos infiéis que vão a noite trepar no cemitério, do poema imundo e sujo de Ferreira Gullar, quero Dias Gomes mijando na cara saco-plásticos dos autores de teatros canastrões.
Adriana Calcanhotto!!! Também estou farto dos bons modos, leio José Martí e como ele também sou um homem sincero e antes de morrer quero cantar meus versos de alma.
Foda-se Dilma, Lula, Zé Dirceu e FHC, todas moribundas figuras de um país que me dá náuseas, Dane-se a copa do mundo, foda-se a seleção, meu patriotismo não está em chuteiras, pobre povo de coração raso em que a alegria se resume na merda de um gol.
Como Gibran Khalil Gibran não troco as tristezas do meu coração por alegria embriagada de marketing e propaganda do mundo. Minhas dores e alegrias são sinceras, sinto-as com paixão na solidão das minhas noites honestas.
Comoção ao por do sol, morre as margaridas, homens corações imundos festejam suas desgraças sobre os copos passivos de suas escravas, dane-se palavras elegantes, não há elegância em um país que festeja a misérias e a ignorância.
Mergulho no corpo de Lima Barreto, genial escritor convenientemente esquecido nas penumbras das bibliotecas, te saúdo meu irmão Lima, te canto até o meu último momento.
Das minhas veias jorram sangue urtiga, sou das caatingas do nordeste, um dia meu sangue cruzou com o de Lampião poeta e justiceiro dos povos esquecidos.
Não há beleza neste mar azul da Baía de Todos os Santos, tão suja águas de histórias infindas. Gritam nos ônibus coletivos negreiros trabalhadores-escravos pelas ruas da Bahia, singular Bahia como um mãe anêmica a amamentar seu filho.
Palavras e palavras: Canta o governador, o prefeito e o diabo suas glórias sobre os nossos corpos amarelos de medo.  Palavras bonitas feiticeiras como anjos em orquestras no 5 º dos infernos.
Deito ao azul celeste do meu tempo. Sá há o Deus tempo, nado nu nesta areia ácida, deixo meu corpo nu sobe o teu ventre de todo mundo, não sou escritor, sou um falso escritor, não sei de ficção, ferve minha cabeça inundada de palavras, soltas, montanha russa em mel e azedo amor.
Sou doente, patologia da palavra é a minha doença, rasgo a língua no arame enferrujado que é esse teu amor mentiroso, cretino e vadio.
Não me seduz cartas de amor, nem fotografia previsíveis, traga meu Cantina da Serra, é sábado, dia de encontrar velhos amigos no Bistrô, me deixem dormir...
Todos os demônios e anjos sirvam-se do meu corpo, Mãe preta e dos os bons espíritos de coração me ilumine o caminho, Mãe preta cobre o meu corpo quando meus braços frios estiveram em tempo de palavra alguma.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…