Pular para o conteúdo principal

*Tatuagens

Dois cântaros em vinho saliva que é tudo da tua alegria, matar a sede no teu corpo, teu corpo que guarda o meu. Havia ursos e dois pequeninos senhores sem libido a nos olhar corpos e sexo ali na praça.
Teu corpo minha tatuagem, roçar de suores, entre espaços me deixe vagamente no esperanto da tua poesia.
Com canivetes roubados das serpentes do inferno cortei você da minha pele, fiquei só em ossos, nu, mas feliz como quem rouba corações no recreio.
Não há solidão, só carência e gengibre no bar da esquina, algo dentro de mim cresce e me devora pouco a pouco, a luz me dá medo, na escuridão encontro paz.
Olho no espelho, teu rosto ainda está lá, teu gostoso rosto, sorriso que faz de mim coração sem paz, alma em controle remoto.
Sem controle escalo estrelas, dessas que só aparecem noite de canibalismo, devorar, comer, sou esse não ser, filho dos vulcões, seresteiros da noite tocam ao nosso fúnebre amor, amo como se estivesse doente.
O que de mim há de ficar? Vida em dissonância, três notas e uma sinfonia escrita por um poeta amado, poeta bom é poeta vivo e tarado.
Minhas taras vão nas águas desse rio, rio da minha cidade, ele sempre esteve aqui, lavou minha roupa, meu corpo, enquanto lambia teu corpo feito um cachorro do mato você cravou em mim o punhal do desassossego.
Entrei em uma bolhinha de sabão, era tudo leve como OMO nas mãos de minha mãe, subir até ser acertado por uma agulha disparada pela tua infelicidade, incapacidade para o bem, incapacidade para amar e vinte mil cerejas enferrujadas na alegria da vitima.
Ergo as mãos, vou a Minas, encontro Aleijadinho, me esculpe a marteladas meu novo coração, monge franciscano, me sinto livre das tuas safadezas.
Não há mais Bahia, Bahia em que todos os cruzamentos se ferem como mulheres a venderem prazer e gozarem tristeza, todo gozo é triste quando em sal e solidão, gozo bom e gozo amigo, como duas crianças na chuva em casamentos imaginários.
Sim, há vida além da devoção cega a esse teu coração velório de sete dias, sim, deus renasce em meu espírito carbono e éter, no divino que é tua língua gostosa. Quero entrar no teu corpo, fazer ninho como serpentes no alto da montanha, como casais de velinhos asilados em paixões antigas.
Sou minha cruz, madeira em cupim barroco, cheiro do tempo, cheiro sujo por históricas cadavéricas, pombo de igreja, padre embalsamado pela fé e pela tolerância a nossa santificada ignorância.
Sou o teu manto de carne, esqueço minha porção homem e me fervo na porção bicho, para além da selva grilos e arlequins dourados, nas mãos cogumelos de todas as cores, cores do teu olhar genocida, se me olha me deixo de ser.
Sou tua não benção, o erro mais perfeito que há, padre filho e o diabo nos braços do espírito santo, ser selvagem, mas ter no coração a bíblia de certas doses de amor.
Escrevo poemas, tenho dores, tenho alegria, tenho tesão, hoje não há noite escura, só eu você e poetas de todas as línguas no roçar do nosso corpo romance, prosa e poesia.
ediney-santana@hotmail.com
*A imagem que ilustra essa crônica é de uma escultura de Aleijadinho





























































Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…