Biografia de uma noite e o amor que não amanheceu

Estou tanto em você que nem sei de mim. Chove, nuvens cinza estão sobre minha casa, no jardim não há alegria costumeira, quero estar em teus braços quando o verão chegar, com você o amor é possível, me abrace tenho medo e há tanta dor. Ando, sei, sumido, pouco saio às ruas, mas sem estar contigo de que me vale as coisas do mundo?
Hoje cantei nossa canção, desenhei estrelas na areia e vi seu rosto nas nuvens brancas do tempo, meu coração às vezes fica tão cansado então me lembro de você sorrindo, me abraço na saudade gostosa de estar ao teu lado.
Escrevo poesias, meu Cantina da Serra acabou, já é tarde, tudo tão silêncio em Santo Amaro, vou andar pelo Sacramento, encontro os donos do Bairro, nos cumprimentamos cordialmente. Você está comigo, posso ouvir sua voz, sua delicadeza de amar as coisas simples e talvez por isso goste do meu coração simples como madrugadas de domingo.
Sou como o personagem de um velho filme que só conhecia o mundo pela TV, mas também sei dos livros, uma vida toda sonhando com as mesmas ruas, conheço todas formigas da Purificação e os mortos do cemitério.
Se pudesse viveria em um lugar de constante chuva fina, friozinho, envelheceria tranquilo, quero morrer dormindo, longe da dor e da angustia de saber do fim, mas antes vamos viver nosso amor longe disso tudo.
Gosto do som das folhas secas quando são pisadas por mim, do cheiro de terra molhada e de me olhar no espelho, ver os primeiros fios de barba branca. Todas as fases vividas com minha particular alegria.
Seguro em um galinho de árvore e imagino ser sua mão, alguém me oferece um cigarro, não fumo, mas por algum motivo aceito e trago algumas engasgadas baforadas, ando sobre a linha do trem, penso quantas vezes meu pai passou sobre ela.
Uma noite inteirinha andando por meu bairro, eu e você, segurando nas tuas mãos frias e suaves. Que me importar a profundidade das emoções, quero e esse perder sem desespero de estar com quem gosto.
Hoje apaguei números da agenda do meu celular, bloqueie e-mail, deixei para trás o que era só convivência sem sentido, é preciso coragem para viver a paixão de existir. Pouco me interessa encontros e festas gosto do silêncio da minha casa.







Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys