Pular para o conteúdo principal

O diabo veste vermelho

Tenho medo da morte emocional, de pouco a pouco me auto-vampirizar, negar todas possibilidades de afeição e inspiração. Creio que a única morte real seja essa: vivermos sem propósito, perdermos a capacidade da emoção, morrer de tédio diante nós mesmos, não ter na vida a parceria necessária para que antes de tudo nunca deixemos esquecidos em um canto qualquer do coração nossa alegria e solicitude para com outros tantos corações.
Quase tudo neste mundo pós- qualquer coisa nos sugere intolerância emotiva. Sou um homem sensível e sinto doer no estômago às indelicadezas emocionais, talvez por isso tenha feito a opção de viver mais comigo que me aventurar por aí e voltar para casa carregado de desencanto.
Os navios negreiros do desencanto nos favelam os risos, nos traz nus nestes descampados os quais amor tem no coração apenas negativas ou imperativos que nos gritam as delinquentes razões do conviver doente, das verdades cativeiro e da dor como sobremesa.
O Livro das Virtudes, escrito por William Bennet, nos canta a história de um menino que achou uma cordinha mágica e todas as vezes que se sentia frustrado ou queria fugir de algo ele dava um puxão na cordinha e ia direto para o futuro, ao final ele se encontra envelhecido e só, tudo passara tão rápido, sua vida toda vivida em uns poucos dias, se arrependera e uma fada lhe devolveu o tempo não vivido. O pobre garoto sofria de uma doença chamada ansiedade, dor e objeto emocional farto nesta vida ilha que vivemos.
O menino da história de William Bennet vivia perdido no tédio dos seus dias, por isso sempre desejava o amanhã, mas o amanhã sem tédio não existe e o que ele encontrou foi uma insuportável solidão.
Quantas vezes não estamos assim negando compulsivamente o presente e buscando abrigo na esperança de que “amanhã será outro dia”. Quando isso acontece é porque a inspiração perdeu para o desencanto, e sem inspiração pouco somos diferentes das coisas, ser coisa é viver e não existir.
Se tivesse a cordinha do livro do William Bennet, honestamente mesmo com todos os riscos, daria um puxão de leve, não sei como um puxão pode ser leve, mas daria. Desejaria cair em outra cidade em que fosse mais honesta e justa a vida, em que para trabalhar ninguém precise dizer que o diabo é belo e que morrer por falta de uma vacina é só questão de estatística.
Há muitos furúnculos sobre o riso que vejo pela fresta da minha janela, vejo um cardápio de insanidades, o mal sendo festejado, o crime ganhando prêmio Nobel da impunidade, mais uma noite de domingo, nunca pensei que gostaria tanto das noites de domingo, tem algo de canções da década de 1930, volto para meu quarto, ascendo à luz, leio Graciliano Ramos e dou boa noite à vida.







Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…