Pular para o conteúdo principal

Setembro de mim

Nunca mais fui ao sertão, estou com uma saudade retada daquelas paisagens cristalizadas em minhas lembranças. Da poesia de rua, dos poetas na feira, da feira como acontecimento cultural e não só um lugar para comprar coisas.
Quando adolescentes ir ao sertão era alegria na certa, namoradinhas que enchiam meu peito adolescente de paixões agudas e doloridas, ir ao rio, entrar nas matas, passar os dias correndo pelas ruas de chão batido, olhar minha vó Erundina que parecia ter todo amor do mundo nos olhos tristes e calmos.
Tudo foi tão rápido, tudo tão breve. O sertão tem algo de irrealidade, o sertão nordestino dos poetas cordelistas é ficção pura, reis e rainhas em suas cortes vazias, santos e deuses que vivem sobre lombo de jumentos, amor que se eterniza na simbiose de sermos sem nos perdermos no bem querer do outro.
É bucólica e telúrica a relação dos povos sertanejos com a natureza, a crença na terra, o respeito às águas e o silêncio diante a grandeza vazia das caatingas.
Deitado aqui em minha cama, na costumeira solidão, me deixo pleno de saudade, sentir saudade é também uma fuga do momento opressor que vivemos. Quantas horas são necessárias para do fim renascermos? Horas periféricas são estas em que tudo tem certo sabor de despedidas, nestes momentos volto para minha aldeia.
Hoje andei pelo jardim da Purificação, estava tudo calmo, há anos dou volta em torno do chafariz e sempre me alegro com os traços de bronze que me lembram corpos desejados e tarados por mim.
Meu coração feminino caiu do vigésimo andar, ao chegar ao chão vi todos os rostos que já amei, senti o perfume doce de Gabriely Del Fabria, amor síntese de minha vida. Seu corpo moreno, seios meigos e sorriso de menina cheio de esperança.
Gabriely Del Fabria: sexo bom, cheiro bom, alegria saudável, tristeza necessária, língua doce de leite e caramelo Nestlé, coração lúdico e amoras nos olhos.
Há dias que sinto o cheiro de gente aqui no meu quarto, não um cheiro qualquer, é um cheiro sem propósito, mas que provoca suores e desejos, sentir gente em mim, sem propósito, mas com tesão.
Deixe o palhaço aqui na frente do meu espelho, ele traz flores e é sempre amigo. Não precisa vir, estou bem com meu espelho, gosto do palhaço que vejo, desse riso meio termo, não digo palavra alguma, apenas namoro o palhaço na frente do meu espelho.
Sim, tudo está no espelho delirante a nossa frente, caminhos inseguros são também excitantes, o perigo aguça alguns instintos.
Deixo tudo como sempre esteve, olho para o longe, estou novamente no sertão da minha essência, escrevo poemas, faço tempestades em copo de água e abraço meu passado neste presente que ainda construo.

 




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…