Pular para o conteúdo principal

Talvez Poesia

 Há uma nuvem cinza no ar, algo de seco e dramático, alguns diriam que é poético, eu digo que é cansaço. Triste país divido em castas, elegantes castas tristes. O estômago tritura antigas ruínas, um dor constante que também é sal e arco-íris.
O sentimento de impotência dói mais que a depressão, mas há as cantoras da década de trinta, sempre estão aqui com suas cantigas anêmicas, seus hálitos de cigarro e bebida vulgar.
Vou vivendo os dias como crianças em ruas que é lar, pão e ciranda de medo. Canto em silêncio o que meus olhos não conseguem ver, vem o vento frio e me abraça, desejo pular em uma banheira cheia de pedras de gelo, quero o tempo frio para meu corpo adormecer.
Se soubesse pinta pintaria minha casinha na qual me deixo feliz sem medo, uma casa que difere das outras pelo silêncio profundo.
Pouco sair da minha rua, da minha cidade, mas sinto em mim tantos corredores e lugares, tantos olhares, sou um homem micro organismo, me sinto transfigurar na minha imaginação solidaria.
Adoro a canção “Flying” do Chris de Burgh, às vezes escuto essa canção cinco vezes seguidas e mesmo sendo analfabeto em inglês entendo tudo que o Chris canta. Meus amigos dizem que tenho gosto duvidoso para música.
Meu gosto é o da emoção o que me toca ouço, não vou ouvir som “cabeça” só porque é “cabeça”, mais de que agradar os iluminates da cultura, meu gosto, deve agradar ao meu espírito.
Espírito fracionado, estático em tantas decaídas certezas. Há sempre a velha estrada empoeirada a nos levar para qualquer canto e cantando a minha aldeia chego ao mundo nestes fragmentos de amor.
Está acordado e desejar sempre o sonho, um dormir que nunca finda, morrer sem deixar de estar vivo, viva agora, para além da vida não há movimento, tudo é profundo silêncio como os dias em minha casa.
Abraço bom o dia que amanhece me deu, tem algo de sincero e calmo. Amar o dia, ser do dia o parceiro perfeito, dia de domingo sem os demônios do sábado e suas ilusões em sexo, risos e alguns beijos com sabor de plástico queimado.
Estou indo lentamente, é uma cor laranja montanha russa, há algumas flores, lá do alto o ar é tão bom, sinto-me mais leve e puro. Escrevo cartas para meus antigos amores não nascidos, em 2045 talvez não esteja mais aqui então resolvi amar, mesmo que seja um amor de mim para coração algum.
Toda causa é a não causa, toda verdade tem em si o amor da mais infeliz mentira e a natureza nos espera com seu riso a transformar tudo em pó. Deita a causa, a mentira e a verdade na mesma vala comum das ilusões.
Deito entre as areias de Itapema, o sol é delicado, o mar lambe minhas pernas, estou entregue ao tempo algum, nestes dias seremos sempre sereno e orvalho. Crio nas entranhas dois mil escaravelhos cada um de cor diferente, cada um sendo deus me faz santo nestes abismos amigos.
“Corre os meus dedos longos em versos/ tristes que invento” e lendo Cecília Meireles vou aprendendo alguma coisa sobre luz, alguma coisa a cantar paz. Às vezes tenho a sensação que passo por uma rua daqui a cinquenta anos e encontro com o Ediney de agora, que lá neste tempo inexistente tudo se faz para o bem e para a felicidade.
Estou terminando as coisas, escrever para as gravuras dessas horas, corda a enforcar na grafite descompassada esse monte de palavras que chamamos texto.
Vivo na periferia dos sentimentos, anônimo entre o romance que escrevo e o perfume inodoro tateado em plena escuridão do corpo amado, nunca tocado e brevemente desejado.
Não sou áspero, sou doce, homem em rosa coração e chá de alecrim, ser desta maneira e ter na solidão a cama mais amiga para dias de noite e noites sem sono.












Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…