Pular para o conteúdo principal

Com quem você anda trepando?

Alguém já escreveu, acho que Woody Allen: a melhor trepada é consigo mesmo. Um bom dedo ou mão às vezes faz um bem danado. Seja lá como for é bom pensar duas vezes antes de se lambuzar, como fez a Geni do Chico Buarque, com uma cretina ou cretina qualquer.
Dia desses um amigo me disse que só consegue excitar sua esposa com filmes pornôs, ela gosta de se imaginar no meio daqueles meninos que tem uma tromba de elefante no meio das pernas e uma ervilha no lugar do cérebro. Mas por que diabos ela não larga o marido e vai ser atriz pornô, sair com garotos de programa ou ainda buscar um novo marido que tenha prazer em ser bom amante e não em ser subdiretor de filmes pornôs?
Outra amiga minha já viajou com o marido pelo mundo todo, motivo? Não era só fazer turismo ou visitar um ilustre falecido no Père-Lachais, o cara é depressivo e só se sente bem com ela dentro de um avião, um Santos Dumont rico e com uma santa do lado. Nunca passou pela cabeça do infeliz fazer um tratamento? Mas rico é rico e pobre ta fodido, se fosse pobre em vez de avião teria taras por se deitar na linha do trem.
Convenhamos algumas esquisitices sexuais ou não cabem bem na vidinha 3 X 4 dos ricos porque são transformadas em excentricidades. O sujeito caga em uma tela expõe no MASP e sai de lá com o título de revelação do diabo pop-modernista da sétima arte. Tudo pago com dinheiro público, é claro. Ainda riem do meu sotaque nordestino cantando a espetacular Volta da Assa Branca. Rico é rico, pobre é foda.
Gosto de sexo oral (mas não obrigo ninguém a fazer) para mim uma boa chupada é uma maravilhosa prova de amor e confiança que o dito ou dita cuja do outro toma banho todos os dias, mas há quem prefira um carrinho. Carinho é coisa de menino tolo que escreve em blog, me masturba satanás que estou quase gozando.
Gente é para gente, comer feijão com arroz todos os dias é para quem não pode levar para cama uma Brandi Carlile ou um Antonio Banderas, mas é bom lembrar, mesmo uma Brandi Carlile que parece nem gozar de tão lindinha que é, peida. Peidar nos diz que todos são gente, não espere um corpo sem mau cheiro, inventamos perfumes para enganarmos nossas invisíveis alucinações, como ter no outro a carta de alforria para nossas desgraças pessoais.
Para mim nada mais constrangedor de quer uma mulher lavando cuecas. Porra! O cara trai a mulher, sai com qualquer criatura para um motel e depois deixa a porra da cueca suja de gala e secreções virginais para a pobre da mulher lavar. Toma vergonha santo de 30 de fevereiro.
Mas claro tem aqueles homens que são honestos, mas seja la como for, mulher alguma nasceu para lavar cuecas.
Desde ontem chove em Santo Amaro, estou sozinho em casa com minha mãe, nestas horas é lembro que existe solidão, eu e minha mãe dois corações solitários. Gente é para gente, ainda bem que há amizade, sem isso seria insuportável a vida.
Às vezes penso em me casar, ás vezes acho que viverei para sempre sozinho, quando mais olho para as pessoas mais medo sinto. Porra! Por que um advogado vale mais que senhora a varrer minha rua? Por que se amanhã descobri que passei no concurso de Policia Federal deixo de ser esquisito, passo a ser excêntrico e vou até ganhar título de cidadão santoamarese? Porra! Me traga uma comédia românica, mas de que gente preciso de amor e carinho. O diabo é descobrir como ter amor e carinho sem ter gente por perto.
Seja lá com quem você anda trepando lembre-se gente é para gente, sinta-se feliz, qualquer tartaruga vive mais que uma geração, a dor é real, sorvete de morango não resiste ao calor, mas teu amor pode viver muito... Paz e luz.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…