Pular para o conteúdo principal

A Flica e D. Cabeluda

Sábado dia 17 de outubro deste insosso 2011 estive justamente com Herculano Neto, Jorge Boris, Sérgio Damião, Dalmir Castro, Visconde e Dinho do Sebo na Flica, Festa Literária internacional de Cachoeira.
Para quem não sabe Cachoeira é uma pequena jóia Barroca-neo Clássica (não necessariamente nesta ordem) no meio do recôncavo da Bahia, entende-se por recôncavo as cidades que ficam no entorno da Baía de todos os Santos.
Além de ser patrimônio artístico nacional Cachoeira é uma espécie de Pelourinho mais bem cuidado e com ares de cidade presépio, por ser cortada pelo rio Paraguaçu seu casario colonial e bucolismo típico das pequenas cidade do interior é mais elegante e sedutor.
Chegando lá comprei logo alguns livros de poesias e providenciamos comer uma maniçoba, Jorge Boris sacou uma garrafa de cachaça, Herculano uma de campary e aos poucos fomos ficando no clima da festa, nos sentindo personagens bêbados e “vagabundos” como em Pastores da Noite do meu sempre amado Jorge, trocadilho infeliz, me desculpe Jorge Amado.
Encontramos Tiago Gato Preto, sua esposa e filho com alguns dias de vida e o poeta Marcos Peralta. Foram momentos agradáveis, um pequeno recital foi improvisado, mas meus amigos poetas de Salvador já estavam indo embora, ficou um pequeno vazio e silêncio, encontramos ainda Dado com sua esposa e mãe, foi um encontro rápido, queríamos a Flica, estávamos à procura da grande feira de literatura.
Notei que havia só uma escola presente no evento, uma escola aqui de Santo Amaro, a Milenium, havia mais escritores que público, havia uma enorme tristeza literária no ar, a literatura estava presente, mas não havia vida, como se tudo ali fosse um romance a espera de algum leitor que lhe desse vida, havia poucos órgãos de imprensa na cobertura do evento, lembrei que estava na Bahia e a festa era literária e não um medonho e repetitivo carnaval sem arte ou cultura, mas com um povo que sente-se bem em celebrar o vazio, a alegria por decreto estabelecido por um rei momo tosco sentado no palácio de Ondina, sede do governo da Bahia.
Aos poucos fomos ficando tristes, até que Herculano teve a ideia de irmos ao Brega de Dona Cabeluda, ou como ela mesmo disse: Cabaré.
Dona Cabeluda é um velinha simpática e educada, no seu estabelecimento de diversão dedicado ao “amor” datado e tabelado há um ar de fim de festa, uma embriaguez continuada, uma tristeza nas meninas, embora tudo esteja repleto do cheiro gostoso da putaria, a mais genuína putaria baiana com gosto de pimenta e dendê.
Enfim encontramos a Flica no brega de Dona Cabeluda, um lugar que a poesia vem da emoções rápidas de cada programa, no qual provavelmente nem Castro Alves ou Jorge Amado entraram um dia.
Não comemos ninguém, trocamos ideias com todas meninas, desconfiadas de um monte de pessoas jovens e com jeito (na ótica delas) de policia civil que queriam falar e não trepar, o mais perto de sexo que ficamos foi (não direi o nome) um poeta amigo que quis, pasme, pagar R$ 10,00 para ver uma das meninas nuas por um minutinho, ela não quis. Tolerância a homens sujos e bêbados vá lá, mas a fantasias sexo passiva  de poetas durões nem pensar. Ta pensando o quê meu filho isso aqui é uma xoxota de carne, osso e aluguel a ser pago não um cordel de Jorge Amado. Deve ter pensado a menina, por sinal linda.
Anoiteceu em Cachoeira, voltamos para casa, sem encontrar a Flica, mas felizes e levemente embriagados, ao chegar a Santo Amaro ainda bebi umas duas no Chapéu de Palha. A Flica pode e deve um dia ser uma grande celebração, mas o seu vazio reflete o vazio educacional e cultural de todo nordeste, de um lado escritores academicistas sonhando com a eternidade literária, do outro os poetas sujos com o gosto e alegria das ruas, indiferente a tudo os analfabetos por vocação senhores dirigentes dos estados, no meio D. Cabeluda dando a receita da felicidade: “Sexo você pode pagar, amor nunca, não tem preço”
Ps-Na foto eu e Dalmir bebericando nossa literatura em Cachoeira.






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…