Pular para o conteúdo principal

O gênio esquecido


Alfredo Oliani (1906- 1988) nasceu, viveu e morreu em São Paulo São Paulo, Foi um notável escultor, mas suas obras mais importantes não estão em um museu, estão no cemitério de São Paulo.
Como notamos pelo período do seu nascimento e morte Oliani foi testemunha de inúmeros movimentos de vanguarda, da Semana de Arte Moderna ao Tropicalismo, embora não esteja ligado, ao menos diretamente ou para historiográfica oficial, a nenhum deles
Oliani notabilizou-se pela arte fúnebre, suas magníficas esculturas fogem do senso comum artístico e transforma uma simples sepultura em um estado de êxtase artístico, por isso mesmo penso que alguns desses trabalhos deveriam ficar em um museu protegido, por outro lado expostas em um cemitério são vistas por milhares de pessoas, e dado a grandeza das obras não há dor que torne suas presenças ali indiferentes, embora isso não signifique contemplação já que na maioria das vezes a dor leva as pessoas aos cemitérios e não a arte.
Mesmo sendo um artista espetacular, obras Alfredo Oliani parecem esquecidas ou renegadas ao plano do mero decorativo e podem algumas serem encontradas até mesmo no Mercado Livre, como é o caso da belíssima Funeral Do Herói, que só não comprei por obvies problemas financeiros, meus é claro.
Não pense que as obras de Alfredo Oliani são sombrias ou carregadas de dor, não são: Sensualidade, nudez, sedução feminina e beijos ardentes fazem parte da maioria das suas obras, parece que Oliani queria transformar a morte em um espetáculo de vida, através da sua arte deixou marcas de vida no lugar em que tudo sugere morte.
A arte tumular, como é chamada esse seguimento de artes para cemitérios, é riquíssima no Brasil, mas talvez o preconceito e falta de informação afaste as pessoas de contemplar  sem receios o que de melhor temos em esculturas e construções espalhados pelos cemitérios do país, na Europa muitos cemitérios são visitados como museus ao céus aberto como o Père Lachaise que é um dos pontos turísticos mais visitados da França, no Brasil além do preconceito, a arte tumular não tem mais o vigor de antes, ela também registra o apogeu e queda das famílias mais ricas e requintadas do país, hoje tudo se resume a uma pequena lápide ou uma insossa cerimônia de cremação.
QUIS PULUIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS.
Lembra-te, ó homem, de que és pó e ao pó hás de voltar.
PS- Este blog não permite comentários, se o leitor tiver algum interesse profissional-literário ou cultural pode escrever para: ediney-santana@hotmail.com, ediney-santana@bol.com.br, visitar http://edineysantana.zip.net









Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…