Pular para o conteúdo principal

Um filme para Mary End

Às vezes vem o frio, em nada o sol pode ajudar. Teu abraço tão distante e minha língua tão adormecida na não mais busca por ternura. Sou envelhecido poeta barroco na decadência de um renascimento que nunca vai acontecer em mim.
Hoje é noite de sempre, não vem o dia. Há rosas da despedida na cama, não busco o verbo improvável, a metáfora exata, quero do Tempo ser amigo quando meus dedos não escreverem mais minha sonata de poucos acordes.
Escrevo poesias em cartas que nunca vão sair do meu quarto, há morcegos do lado de fora, na lagoa os sapos cantam, a lua traça o caminho luz para quem da noite se faz.
Há sempre o apego desnecessário a coisas que embora doces não passem de veneno e sugadores das nossas já desumanizadas energias, nega-se o que de melhor temos para pior servirmos, o pior servir é o que nos nega em essência, nos reduz a pó, escandaliza nossas emoções.
Não tenho medo, sou todo corpo, meu espírito vaga na delicada razão que nunca pousa, é sempre nuvem e raios de Iansã meu tesão pela vida, mas me permito beber algumas doses secas dessas angustias matutinas.
É impossível um espírito criativo não ter algum vício, o problema é que há o beijo amargo das hóstias na porta desse céu-inferno.
Fico pensando se todo mundo que diz ler Kafka, Fernando Pessoa, a Bíblia e tantos outros livros e autores decadentistas lêem mesmo, acho que não. Há tanta revisão de valores nesses autores que a leitura profunda de suas obras levaria a sociedade a uma revolução íntima sem precedentes, na hora do vamos ler o contentamento é mais simplório, algo como mascar chiclete e comer amendoim no parque.
Mergulhos profundos nos leva a ler imagens nem sempre inspiradores, nos revela a nós mesmos nossas faces menos idealizadas ou romanceadas. Tenho dois pavores ligados a morte: primeiro é a ideia de um corpo no caixão, o segundo é o vexame de ter desafetos meus na excitação da vida a velar meu corpo, isso é bíblico “não deixa-ai senhor que triunfe sobre mim”. Isso é angustiante e tolo.
Qualquer dia desses vou escrever algo entre Martha Medeiros e Padre Fabio de Melo, também sou filho do capitalismo e mereço entrar pela porta da frente nos reinos da terra. O mesmo público que diz odiar autores como esses de vulgar talento são os mesmo que só consomem aquilo que vem com a marca da besta na testa: mais vendidos, ganhador de prêmios, apareceu no programa X apresentado pelo imbecil B. A arte em si é só a mais valia da urgência de muitos estarem ao lado dos abençoados por essa besta quadrada que é a fama. Mas há o sucesso, anda meio esquecido, mas ele existe.
Quase sempre escrevo misturando ironias, humor, acidez, mas é interessante sempre dizem que sou formal, e que falo sério. Como o diabo foge da cruz eu fujo de mim, quando mais do mundo sério, a seriedade do mundo enchem os consultórios dos psicólogos e seus eternos pacientes.
Aos trinta e sete anos de idade ainda me masturbo pelo corpo que desejo e não posso ter ou pelo que tive e sinto saudades, gosto de corpos frágeis, que pedem proteção, sentem vergonha de gozar ou dizer um palavrão sacana a meia luz de um quarto abandonado de razão.Me permito viver profundamente minha condição de pessoa, de animal feito para sexo e reprodução, claro há a humanidade e seu requinte em seu mau-caráter.
Ando meio tudo, meio sabor de plástico na língua, meio sombra, meio delicado, sobretudo inteiro na disposição de sempre aprender coisas novas como andar na chuva abraçado com quem amo sem medo de parecer ridículo. Às vezes vem a primavera.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…