Pular para o conteúdo principal

"Vícios impróprios"

Sua capacidade para cálculos e lógica o levou  a trabalhar para o serviço britânico de inteligência durante a 2ª guerra mundial, mas isso não fez com que o governo do seu país tivesse por ele algum tipo de consideração humana.
foi julgado e condenado por “vícios impróprios” ,ou seja, homossexualismo, obrigado a tomar hormônios femininos, seus seios cresceram, com vergonha isolou-se, amargou terrível angústia, pouco era visto ou falava com alguém, cansado de tantas humilhações e perseguições colocou em uma maçã cianeto e entregou seu corpo a morte. Seu nome? Alan Mathison Turing.
Alan Turing  nasceu na Inglaterra no dia 23 de junho de 1912 e suicidou-se em 7 de julho de 1954. Foi um notável cientista da computação e nos deixou contribuições espetaculares para que hoje todos pudessem ter acesso à informação e cultura via meios digitais.
Turing inventou o sistema que possibilitou a criação do Colossus, computado embrião do que seria mais tarde o computador de mesa, o chamado PC, criado por Steve Jobs e seu amigo Steve Worzniak, ao criar o primeiro computador pessoal, o Apple I, Steve Jobs e Worzniak, iniciaram uma revolução sem precedentes, uma nova era Gutemberguiana na qual o papel digital nos abria uma estrada aparentemente sem fronteiras ou barreiras culturais. 
Aos 24 anos quando criou sua máquina para análise de dados Turing deixava para a humanidade uma contribuição espetacular que mudaria não só nossas relações de trabalho como também pessoais.
O Colossus foi utilizado para criptografar códigos alemães secretos que eram produzidos através de outra máquina que tinha o sugestivo nome de Enigma, o desafio de Turing e sua equipe era fazer com que o Colossus “pensasse” cada vez mais rápido para conseguir Interceptar e entender os códigos dos Enigmas que mudavam com frequência.
Steve Jobs, morto esta semana, era um misto de inventor, gênio e astro Pop por tudo isso sua morte  causou  comoção. Ao criar a Apple, Jobs escolheu para marca da empresa uma maçã mordida, assim ele homenageava Alan Turing por quem tinha respeito e reverência, Turing não viveu na época da informação de massa informatizada e virtual, isso fez com que sua importância e vida trágica passassem quase despercebida, Jobs foi fruto e um dos pais dessa época de vida exposta e comunicação rápida e isso o fez pop e mundialmente conhecido.
Dois caminhos, dois homens que ajudaram a definir os rumos das nossas relações interpessoais e de trabalho, um morreu tragicamente envenenado por algo mais que uma maçã com cianeto, outro tragicamente fatigado por uma doença que lhe devorou o corpo.
O calvário de Turing , o “câncer” que lhe devorou a vida foi social, nenhuma quimioterapia poderia ajudá-lo, caiu nos pés do pré-conceito e da estupidez, morreu sozinho no seu quarto, sem glória e atormentado, Jobs provou um pouco disso tudo quando foi demitido da Apple, sou própria empresa, mas viveu para ver sua glória pessoal.
Recentemente o governo inglês pediu desculpas formais pelo sofrimento causado a Turing, desculpas que não poderão ser aceitas ou recusadas por ele. Há muitas pessoas que são vítimas dos mais cruéis pré-conceitos, uns pelo seu sotaque, outra pela opção ou condição sexual, enfim de muitas maneiras e disfarces o pré-conceito se utiliza para fazer vítimas e destruir vidas.
Fecho os olhos e posso imaginar Turing sendo torturado, espancado, impedido de trabalhar, sem amigos ou amores, afundado em suas próprias paixões e sofrimentos,  mas o tempo celebra os sinceros de coração e todas às vezes que digitamos um texto, ligamos um computador celebramos a força criativa de muitos homens e mulheres que ajudaram na construção desse tempo no qual a terceira realidade nos encanta, contribuições que Alan Turing e Steve Jobs deram cada um há semeu muito obrigado.
* Na imagem que ilustra essa crônica podemos ver Alan Turing com uma maçã na mão.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…