Pular para o conteúdo principal

Ao som da chuva

Viver em uma pequena cidade requer certa imaginação para não ficarmos a rodar rodar no circuito fechado do tédio sempre presente. Todos os dias é preciso certo esforço para não devorar a si mesmo em um ir r vir sem fim do que se é. Todos os dias as mesmas pessoas, as mesmas saudações e a novidade é não ter novidades, a alegria tem hora marcada para chegar bater o cartão de ponto e ir embora.
Sem livrarias, cinema, outra diversão que não seja futebol, bar e vez por outra alguma peça no teatro não é muito difícil sentir-se ilhado na embriagues do tédio. A rotina é tão seca que chega um momento no qual ficar em casa é a melhor diversão, deitar, dormir, dormir e esquecer o tempo repetitivo la fora.
Mil planos, idéias sobre tantas coisas, uma gravidez que parece feita sobre medida para o aborto, é assim que me sinto, grávido e eternamente abortando, engravido pela manhã e a tarde sangro. Cidades pequenas, sem grana, pouco vale uma gravidez por mais bem intencionada que ela seja.
A gravidez além do parto sugere coisas novas, e o novo ameaça a rotina, alguns se sentem seguros com a rotina, outros lucram com ela e alguns poucos como eu reclamam dela e sem ter muito que fazer dormem ao relento do sempre amanhã como exato ontem.
Há um poema de Carlos Drummond de Andrade chamado “Cidadezinha qualquer” que diz: “Casas entre bananeiras/ mulheres entre laranjeiras/ pomar amor cantar/Um homem vai devagar/Um cachorro vai devagar/Um burro vai devagar/ Devagar... As janelas olham/Eta vida besta, meu Deus”.
Santo Amaro não tem esse bucolismo, segundo Drummond, besta. Por ficar entre as duas maiorias cidades da Bahia, Feira de Santana e Salvador, Santo Amaro é um híbrido entre o atraso e o avanço, não é rural, mas também não é urbana, não é parada, mas também não vive a velocidade de uma grande cidade, embora sua população sinta a influência e muito da capital Salvador, mas não se engane o tédio anda por essas ruas.
O pior é ir envelhecendo e ver seus amigos indo embora, começando outras rotinas, outras amizades. Sentado no banco da praça olho novos poetas, roqueiros, políticos e há uma ponte invisível a nos separar, algo meio Castro Alves – Vinicius de Morais, ou seja, o que tinha uma causa e o que era a causa.
O melhor caminho para enfrentar a rotina e o tédio é a criatividade, faz de barquinhos de papel grandes canoas perdidas em um oceano inóspito e você é o capitão para navegar águas tranquilas, não potencializar o azedo disso tudo, não afogar-se na complacência das coisas.
Neste momento tudo é cansaço em Santo Amaro, há algo de sujo no ar, algo de ruim. Parece que o mal também se reproduz por osmose, vejo pequenos brotos transformados em horrendos cactos feitos para o mal dos espinhos. Pergunto ao meu Deus Tempo: quanto ainda o ar vai ficar assim seco? Ele responde: “Quando chegar o fim das eras de tanto se subir os monturos se rebaixará os muros”. Confesso minha alegria dessa universalização da dor como catarse para o bem.
Certo, mas há as novas paixões e o canto mudo dos pardais em meu quintal, a beleza das lagartas devorando a bananeira, disso tudo nascerão borboletas, a vida sempre da um jeito de acontecer, eu fico por aqui nascendo e renascendo no ano 2099.
Ps- Na foto eu e meu amigo Zopa, Praça do Rosário, novembro, 2011



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…