Pular para o conteúdo principal

Distância e felicidade

Segue os dias e a medida da distância para ser feliz me parece à medida de com qualquer outra pessoa compartilhar só o necessário. Cada um tem seu ideal de necessário, eu tenho o meu e nele cabem pouquinhas coisas e um ou dois corações que o meu bate feliz quando encontra.
Uma pequena palavra que vira terremoto, um besteira que se ergue como se fosse a descoberta do verbo por um mudo, um abraço azedo ou um ri sem sentido, o mistério da permanente felicidade e a terrível briga de egos me levam ao auto-exílio.
Celular ligado só o suficiente para o trabalho, e-mails quase nunca respondidos, cultivar meus pés de mamãos, brincar na Purificação com minha filha, escrever sem compromisso cartas soltas sem leitores definidos.
Tenho perdido o interesse por feedback, na verdade tenho até medo quando o telefone toca, o silêncio me consola e já tenho um bom relacionamento com a solidão.Ser inconveniente me apavora o espírito só em pensar, por isso tenho o costume de não ter agenda telefônica ou platonismos desnecessários.
De certa maneira há uma ilha que também é segurança, meus idealismos foram deixados de lado, o dia seguinte ao idealismo é a cara batida contra o muro da realidade, e dessa cara quebrada pode-se nascer mil novas sensações, eu prefiro ficar quietinho.
Não me coloco e nunca me coloquei como centro de coisa alguma, penso até que sou um bom coração, mas é chegada a hora de me esquecer um pouco no que não sou ou pensei ser. Fazer literatura e me apaixonar por uma bibliotecária seriam ótimas coisas a serem feitas, mas não há bibliotecárias em minha cidade e minha literatura desce a ladeira do comum e lá certamente vai desaparecer, mas enquanto isso não acontecer ela consola meus dias e quieta minhas variações de humor que sempre grita entre graves e agudos.
Nada disso me causa angústia, sou bem resolvido, no mais há sempre coisas diferentes todos os dias, o mundo é muito além de mim para que eu me coloque como algo razoável nele, sou coadjuvante, filme B e papel silêncio. Não há nada de pessimismo nisso ou sentimento de derrota, são coisas simples de olhares simples de quem se olha além do espelho do quarto.
Ficarei uns seis meses ou até mesmo um ano sem beber cervejas, isso sim é foda, aguentar esse estado permanente de devassidão coletiva sem um delirizinho se quer. Preciso ir à praia, esses dias de chuva tudo fica calmo por lá, preciso respirar oxigênio puro, olhar os caranguejos, as marisqueiras na labuta pela vida, sentir-me perto do céu, nos baços da alegria que é o azul aos olhos.

  






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…